sexta-feira, 22 de maio de 2015

SALTO DE PIRAPORA - HISTÓRIA ILUSTRADA DO MUNICÍPIO

APRESENTAÇÃO


Meu primeiro contato com Salto de Pirapora foi em 1962 quando fomos ao Bairro da Ilha passar um domingo em confraternização reunindo a Igreja Presbiteriana de Alumínio e a comunidade irmã daquele bairro rural.
A família Sandoval que sempre esteve na liderança dos trabalhos na igreja se tornou nossa conhecida e posteriormente ficamos próximos de outras como a dos Góes, com as quais mantemos relacionamento até os dias atuais.
Posteriormente estivemos várias vezes na cidade, quase sempre participando dos programas de nossas igrejas mas na década de 1980 estive em Salto de Pirapora a trabalho representando a empresa na qual laborava, a Cia. Brasileira de Alumínio.
Tenho muitos amigos na cidade e a eles dedico esta postagem sobre essa simpática urbe.

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

Poder Executivo


Paço Municipal


Santelmo Xavier Sobrinho
Prefeito


Helio Rossi
Vice-prefeito



Poder Legislativo


 Câmara Municipal



 Jurandir Matos de Almeida
(Presidente)


Alex Ferreira de Souza


Donisete Antonio Correa Barbosa


Izanildo Moreira Farrapo


José Luiz Vieira


Kelli Luciana Ortiz


Messias Pinto


Miguel Marcelo Sobrinho


Sergio Ventura


Francisco A. Henrique de Oliveira

HISTÓRIA

“Salto de Pirapora foi fundada por Lavradores e Operários, comandados por Antônio Maximiano Fidélis, mais conhecido como "Antonio Fogueteiro" e por Felício Lencione, que no dia 24 de Junho de 1906, apesar de virarem alvo de piadas para os companheiros, pois ninguém acreditava que levassem a idéia adiante, rezaram a primeira prece no local e demarcaram o lugar onde seria a sede do município.
Lavradores e operários das caieiras (fornos de cal) se reuniam nas vizinhanças daquelas primeiras casas ainda não alinhadas e festejavam São João com fogueiras, mastro e reza ao ar livre. O promotor da reza era justamente o fogueteiro, ajudado pelo negociante Antônio Goes, sendo a sua venda (comércio) o ponto de reunião, como em toda parte. Não faltava a Santa Cruz. Fogueteiro, Felício Lencione e João de Goes, fizeram uma carpida exatamente no terreno onde hoje está a Igreja Matriz e levantaram um mastro com uma bandeira do santo precursor, rezaram, soltaram fogos. Fogueteiro dizia, entre risos e zombarias dos mercadores e outros presentes: "aqui ainda vai ser uma cidade". Ele é que estava certo. No ano seguinte, foi construída a primeira capela local (onde está a nossa Matriz), por João de Góis, que ainda ofertou uma imagem de São João Batista à pequena igreja.
O santo, desde então, ficou como padroeiro de Salto de Pirapora. No dia 6 de outubro de 1907, o Padre Luiz Sicluna celebrou a primeira missa na capela, com a presença de todos que moravam no pequeno povoado, e que ajudaram na construção da capela. Mais tarde, o mesmo padre, reuniu novamente esse pessoal e construiu no local a Matriz, que ainda funciona até os dias de hoje. Em 1911, Salto de Pirapora, foi elevada a vila e incorporada como distrito do município de Sorocaba, pela Lei nº 1250, de 18 de Agosto de  1911, que criava o Distrito de  Paz pertencente à comarca de Sorocaba.
Em 1912 João Almeida Tavares foi nomeado o primeiro tabelião do nosso distrito. Em 1912 começaram a aparecer os primeiros carros, puxados por bois, que ajudaram muito no progresso do pequeno povoado, pois com eles iniciaram-se os transportes de madeira, produtos da agricultura local, como o arroz, algodão feijão e batata, para outras regiões. Em 1922 organizou-se uma comissão para construir a Igreja Matriz, sendo o seu chefe o coronel Manoel Ferreira Leão, que ao lado de sua esposa e tendo como auxiliares Silvino Dias Batista, Belarmino de Serqueira César, David Teixeira, Balduino Antunes de Oliveira, Pedro dos Santos e João Brizola de Almeida levaram a cabo a empreitada seguindo a planta do arquiteto e padre Luiz Sicluna. A tão batalhada emancipação chegou somente em 1953, através de um plebiscito, na qual votaram os 657 eleitores que ali residiam na época.  Desses eleitores, 475 votaram a favor do desligamento político da vila, 174 votaram contra, 4 votaram em Branco e teve 4 votos Nulos.
Finalmente, no dia 30 de Dezembro de 1954, Salto de Pirapora se eleva à categoria de Município pela Lei 2456.
E  a partir dessa data, nosso município não parou de crescer, pois, aqui se instalaram varias indústrias buscando a grande riqueza que a extração de Minérios fornecia.”
Fonte: http://saltodepirapora.sp.gov.br/sessao/historia


INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO



Fundação
24 de junho de 1906 (108 anos)
saltopiraporense
Santelmo Xavier Sobrinho (PMDB)
(2013–2016)
Municípios limítrofes
Distância até a capital
121 km
Características geográficas
280,608 km² 3
40 132 hab. Censo IBGE/20104
143,02 hab./km²
630 m
Ameno Cfa
Indicadores
0,729 alto IBGE/20105
R$ 411 128,335 mil IBGE/20086

Transcrito de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Salto_de_Pirapora



 Brasão de Salto de Pirapora

CAFUNDÓ


A comunidade remanescente de quilombo do Cafundó é constituída por cerca de 18 famílias e localiza-se no município de Salto de Pirapora, no Estado de São Paulo.

O Cafundó foi "descoberto" pelos meios de comunicação no ano de 1978. Pesquisadores, jornalistas, políticos da região, ativistas de movimentos sociais voltaram seus olhos para a comunidade.

A principal singularidade desta comunidade está no léxico denominado cupópia ou falange, de origem africana, uma espécie de dialeto falado pelos membros da comunidade.

Esta característica cultural despertou grande curiosidade e levou muitos a considerarem a comunidade como uma espécie de reduto do período escravocrata que permaneceu intacto durante décadas.

Equivocam-se os que assim pensam. Longe de estar isolada ou intocada, Cafundó é uma comunidade quilombola que, assim como outras em São Paulo, sofre com as invasões de suas terras e luta para que sejam garantidos seus direitos territoriais.

 


IMAGENS DA CIDADE



Ônibus Salto de Pirapora a Sorocaba


Antiga Concha acústica


 Cafundó


Vista aérea


 Ruínas dos fornos de cal


Capital do calcário
 
 Capital do calcário II


Lago do calçadão


Praça do centro


Trevão


 Quilombo Cafundó


 Condomínio de aviadores


'Sentiver - Inspiração, Conteúdo e Leveza'

Desfile em Salto de Pirapora


SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


Wilson do Carmo Ribeiro é natural de Campos Novos Paulista, SP onde nasceu aos 16-07-1941, é Industriário aposentado no Grupo Votorantim, pedagogo e historiador diletante. 
Foi Vereador no Município de Mairinque, onde trabalhou também em emprego comissionado na Prefeitura Municipal. Durante quinze anos foi correspondente em Alumínio para jornal da região. Foi professor no primeiro e segundo graus durante 15 anos.
Atualmente dedica seu tempo a historiar cidades, igrejas presbiterianas (é presbítero nessa denominação evangélica desde 1975) e vida de pastores.
Em novembro de 2014 foi agraciado com o título de Cidadão Aluminense pela Câmara Municipal da cidade de Alumínio, SP. 

Toda crítica construtiva e sugestões para a melhoria deste trabalho podem ser enviadas pelo e-mail: prebwilson@hotmail.com
 
























Nenhum comentário:

Postar um comentário