sábado, 2 de maio de 2015

SANTA CRUZ DO RIO PARDO - HISTÓRIA ILUSTRADA DO MUNICÍPIO


APRESENTAÇÃO

       No meio do ano de 1952 minha família vendeu a parte do sítio em que morávamos na divisa dos Municípios de Campos Novos Paulista e São Pedro do Turvo para o meu tio Laurindo. Assim, meus pais e meu tio Antonio com a família dele se mudaram para uma olaria no bairro rural Salto do Dourado no município de Santa Cruz do Rio Pardo, chamada Cunha & Araújo.
      Fui morar com meus avós maternos e uma tia para poder continuar os estudos. Dormia na casa do avô João Batista da Rosa e me alimentava na casa de minha tia Leonina. A casa deles era parede-e-meia e ficava situada à Rua Conselheiro Saraiva no bairro Santa Aureliana. No final dessa rua funcionava a fábrica de Máquinas do Sr. Henrique Suzuki.
      Fiz a metade do terceiro ano primário e o quarto ano no "Primeiro Grupo Escolar de Santa Cruz do Rio Pardo" que viria a se chamar "Professora Sinharinha Camarinha". Meu diretor foi o Prof. Gentil Marques Valio, de quem, com muito carinho, guardo sessenta anos depois, sua assinatura no desbotado diploma do curso primário.
      Foi aí que tomei contato com o futebol: tornei-me torcedor do São Paulo FC por causa de meu tio Zé Caboclinho e assistia os jogos da Esportiva Santacruzense no Estádio Leônidas Camarinha. Meu tio de nome Alicio, apelidado de Danilo jogava na Esportiva e fez carreira, encerrando suas atividades esportivas no C.A. Paranaense. Já o outro tio, Genésio, jogava no Atlético, que tinha seu campo às margens do Rio Pardo.
      Conheci a família Camarinha, uma das mais influentes na política local e que ainda participa da administração pública. Um dos membros da família - Abelardo Camarinha já foi prefeito em Marília e atualmente é Deputado Federal. Conheci também o farmacêutico Lúcio Casanova Neto, pessoa muito querida na cidade. Elegeu-se Deputado Estadual, porém foi cassado no regime militar. Lembro-me de uma eleição municipal muito acirrada em Santa Cruz. Elegeu-se prefeito o Dr. Ciro de Melo Camarinha e foi derrotado Filadelfo França Aranha.
      Outras pessoas das quais me lembro bem: Sr. Miguel Saliba, dono do armazém onde meus pais faziam compra mensalmente; Sr. Yoneda (tecidos e armarinhos); Sr. Onofre Rosa de Oliveira, que viria a ser prefeito da cidade; David Pinhata e Atilio Gozzo, amigos de meus tios; "Meia-Lua", melhor jogador da Esportiva e vizinho do meu avô.
      Nossos patrões foram os senhores Joaquim Rodrigues da Cunha e Bernardino Araújo de Souza. Um dos filhos deste último, de nome Jorge,  foi vereador na cidade, isto bastante tempo depois de termos mudado de lá.  De Santa Cruz a família se mudou para o Município de Bernardino de Campos.


Deputado Leônidas Camarinha
com o Presidente Juscelino Kubitschek



 Lúcio Casanova Neto com o 
Governador Jânio Quadros


 Joaquim Rodrigues da Cunha
Um dos patrões na olaria



Ex vereador Jorge de Araújo
(O pai dele, Sr. Bernardino foio o
outro patrão na olaria)




Antiga Delegacia de Ensino 'Prof. Gentil Marques
Valio". Foi aí que estudei nos tempos em que o Prof.
Gentil era diretor - 1951-1952) O nome era 1º Grupo
Escolar de Santa Cruz do Rio Pardo.


HISTÓRIA


“Os primeiros povoadores, Manoel Francisco Soares e Joaquim Manoel de Andrade, ambos mineiros, atingiram o espigão entre os Rios Turvo e Peixe, iniciando fazendas de criação de gado. Outros criadores instalaram-se em meados do século XIX, iniciando os primeiros núcleos urbanos.
No primeiro cercado para defesa de ataques indígenas, às margens do Rio Pardo, os povoadores levantaram uma cruz que, à noite, era iluminada com velas. Isso originou a denominação Santa Cruz do Rio Pardo, pelas caravanas que aí se asilavam.
Nesse local, um grupo de moradores iniciou um povoamento, em 1870, onde construíram uma capela sob invocação de São Pedro.
A expansão da cafeicultura, em seu território, possibilitou o desenvolvimento, da localidade.
FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA
Vila criado por Lei Provincial n.º 6, de 24 de fevereiro de 1876. Desmembrada do Município de Lençóis. Cidade por Lei Estadual n.º 1038, de 19 de dezembro de 1906.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o Município de Santa Cruz do Rio Pardo se compõe de 4 Distritos: Santa Cruz do Rio Pardo, criado por Lei Provincial n.º 71, de 20 de abril de 1872; Óleo, Ilha Grande e Irapé.
Nos quadros de apuração do Recenseamento Geral de I-IX-1920, o Município de Santa Cruz do Rio Pardo figura com os seguintes Distritos: Santa Cruz do Rio Pardo, Bernardino de Campos e Chavantes.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933,o Município de Santa Cruz do Rio Pardo compõe-se de 2 Distritos: Santa Cruz do Rio Pardo e Sodrélia.
Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, bem como no quadro anexo ao Decreto-lei Estadual n.º 9073, de 31 de março de 1938, o Município de Santa Cruz do Rio Pardo compreende o único termo judiciário da comarca de Santa Cruz do Rio Pardo e se divide em 3 Distritos: Santa Cruz do Rio Pardo, Espírito Santo do Turvo e Sodrélia.
No quadro fixado, pelo Decreto Estadual n.º 9775, de 30 de novembro de 1938, para 1939-1943, o Município de Santa Cruz do Rio Pardo é composto dos Distritos de Santa Cruz do Rio Pardo, Rio Turvo e Sodrélia, e é termo da comarca de Santa Cruz do Rio Pardo, formada de 1 único termo, Santa Cruz do Rio Pardo, termo este composto dos Municípios de Santa Cruz do Rio Pardo, Bernardino de Campos e São Pedro do Turvo.
Em virtude do Decreto-lei Estadual n.º 14334, de 30 de novembro de 1944, que fixou o quadro territorial para vigorar em 1945-48, o Município de Santa Cruz do Rio Pardo ficou composto dos Distritos de Santa Cruz do Rio Pardo, Caporanga, Clarínia, Rio Turvo e Sodrélia, comarca de Santa Cruz do Rio Pardo, assim figurando no quadro fixado pela Lei Estadual n.º 233, de 24-XII-1948 para vigorar em 1949-53.
Constituído dos Distritos de Santa Cruz do Rio Pardo, Caporanga, Clarínia, Espírito Santo do Turvo e Sodrélia, comarca de Santa Cruz do Rio Pardo, no quadro fixado pela Lei Estadual n.º 2456, de 30-XII-1953 para o período 1954-58. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
GENTÍLICO: SANTA-CRUZENSE”


ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

Poder Executivo


Prefeitura Municipal


Otacílio Parras Assis
Prefeito



Benedito Batista Ribeiro
Vice-prefeito


Poder Legislativo
(Câmara Municipal)


Câmara Municipal


De cima para baixo, da esquerda para a direita: José Paulo da Silva (Presidente); Leandro Fonseca Mendonça (Vice-presidente); Murilo Costa Sala (1º Secretário); Antonio Ferreira de Jesus, Cleuza Maria Costa Soares, Edvaldo Costa de Godoy, Lázaro Aparecido Batista de Souza, Luiz Carlos Novaes Marques, Luiz Wanderley Freire de Souza, Milton de Lima e Roberto Mariano Marola.



ALGUMAS INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO


Geografia
Sua população é estimada em 42.259 habitantes, segundo o IBGE. A sua extensão territorial é de 1.116,377 km², o que lhe confere a densidade demográfica de aproximadamente 37,9 hab/km². 
Demografia
Dados do Censo - 2010

População total: 43.921
Urbana: 40.154
Rural: 3.767
Homens: 21.512
Mulheres: 22.409




  • Densidade demográfica (hab./km²): 39,34
  • Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 11,89
  • Expectativa de vida (anos): 73,50
  • Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,97
  • Taxa de alfabetização: 91,59%
  • Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,811
  • IDH-M Renda: 0,749
  • IDH-M Longevidade: 0,808
  • IDH-M Educação: 0,876
  • (Fonte: IPEADATA)

    Hidrografia
    Rio Pardo 
    Ribeirão Mandassaia
    Ribeirão da Onça Ribeirão São Domingos
    Ribeirão Alambari
    Rodovias SP-327

    Fonte: http://www.santacruzdoriopardo.sp.gov.br/caracteristicas.htm


    ALGUMAS PERSONALIDADES DA CIDADE


    UMBERTO MAGNANI


    "Umberto Magnani Netto (Santa Cruz do Rio Pardo25 de abrilde 1941) é um ator brasileiro.
    Atuando há mais de trinta anos, Umberto Magnani já participou de diversas novelas da Rede Globo, como "Cabocla", "Alma Gêmea" e "Páginas da Vida", além de atuar no teatro.
    O novelista Manoel Carlos tem um carinho especial por ele. Desde que Magnani participou de sua novela Felicidade, Maneco sempre encontra uma maneira de criar um personagem para ele".


    Jacira Sampaio 




    Participou de mais de vinte telenovelas e tornou-se nacionalmente conhecida com a personagem Tia Nastácia do programa infantil O Sítio do Pica-Pau Amarelo da Rede Globo (1977 a 1985), adaptado da obra de Monteiro Lobato. Jacira deu aulas de teatro no Rio de Janeiro em 1980, com os alunos montou a peça "O Pequeno Reformador".

    Jacira se destacou também no teatro em peças como: "Quarto de Empregada" (1959) de Roberto Freire, "As Feiticeiras de Salém" (1960) com Gloria Menezes, "O pagador de Promessas" (1961) com Stenio Garcia, "O Círculo do Champagne" (1964), "Castro Alves Pede Passagem" (1971) de Gianfrancesco Guarnieri, "Sitio do Picapau Amarelo" (1994) com Suzana Abranches entre várias outras"

    Transcrito de :http://pt.wikipedia.org/wiki/Jacira_Sampaio

    Zilo e Zalo



    "Zilo e Zalo é a dupla sertaneja formada pelos irmãos Aníbio Pereira de Sousa, o Zilo (Santa Cruz do Rio Pardo SP 1935-São Paulo SP 2002) e Belizário Pereira de Sousa, o Zalo (Santa Cruz do Rio Pardo 1937-). Passaram toda a infância no sítio que seus pais possuíam na terra natal. Começaram a cantar ainda meninos, respectivamente com 11 e 9 anos, em bailes e coretos de igreja nos fins de semana. Em 1954 estrearam em rádio num programa da Rádio Difusora, em Santa Cruz do Rio Pardo. Nesse mesmo ano, mudaram-se com a família para São Paulo SP e, no ano seguinte, ficaram entre os dez primeiros colocados do Festival Jubileu de Prata, da Rádio Record. Logo começaram a cantar no programa Casa dos Fazendeiros, na Rádio Cultura. 

    Em 1956 foram levados por Zacarias Mourão para a Rádio Bandeirantes, na qual permaneceram até 1961. Em 1959 foram convidados por Cascatinha, então diretor artístico da Todamérica, para gravar seu primeiro disco, um 78 rpm com as músicas A volta do seresteiro (Zalo e Benedito Seviero) e Adeus do mineiro (Teddy Vieira e Piraci). Em seguida, gravaram as músicas Violão amigo (Zilo e Benedito Seviero) e Castigo merecido (Zalo e Alcindo Machado). Com o êxito de A volta do seresteiro, a dupla foi contratada pela Continental, na qual lançaram vários sucessos. Em 1961 transferiram-se para a Rádio Nove de Julho e, dois anos depois, assinaram contrato com a Rádio Nacional (atual Rádio Globo), permanecendo aí até 1973. Ainda na década de 1960, a dupla gravou com grande êxito um LP só de tangos. Em 1965 lançaram pela Chantecler a música Grande esperança (Goiá e Francisco Lázaro); o sucesso foi tão grande que a gravadora lançou um compacto no mercado internacional, o que os transformou na primeira dupla sertaneja a vender discos no exterior. Em 1973 assinaram contrato com a Rádio Record, de São Paulo, na qual permaneceram até 1982. Com mais de 400 músicas gravadas em toda a carreira, a dupla lançou vários sucessos, entre os quais O milagre do ladrão (Zilo e Leo Canhoto), Alma inocente (Zalo e Benedito Seviero), Tango da meia-noite (Zilo e Benedito Seviero), A vingança do caçador (Teddy Vieira e Zalo), Alma do Ferreirinha (Zilo e Jeca Mineiro), Feitiço espanhol (Goiá e Zacarias Mourão), Castelo de areia (Carreirinho), Encontro milagroso (Leo Canhoto) e Guardarei teu coração (Dino Franco e Osvaldo Ribeiro). De autoria da própria dupla, destaca-se o sucesso Queixas de amor."

    Fonte: http://www.letras.com.br/#!biografia/zilo-e-zalo




    IMAGENS DO MUNICÍPIO


    Antiga ponte sobre o Rio Pardo


    Estação ferroviária nos tempos
    da "Maria Fumaça"


    Iaçara Clube nos anos 80


    Vista noturna


    Corrida de bóias no Rio Pardo

    Faculdade de Direito
    (antigo Colégio das Freiras)


    Igreja Matriz de São Sebastião


    Igreja Presbiteriana Independente


    Praça Deputado Leônidas Camarinha


    Vista aérea


    Trevo de acesso à cidade Jóia
    da Sorocabana


    Associação Esportiva Santacruzense


    Estádio Leônidas Camarinha


    Fonte: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=imagens+da+cidade+de+santa+cruz+do+rio+pardo

    SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


    Wilson do Carmo Ribeiro é natural de Campos Novos Paulista, SP onde nasceu aos 16-07-1941. é Industriário aposentado no Grupo Votorantim, pedagogo e historiador diletante. 
    Foi Vereador no Município de Mairinque, onde trabalhou também em emprego comissionado na Prefeitura Municipal. Durante quinze anos foi correspondente em Alumínio para jornal da região. Foi professor no primeiro e segundo graus durante 15 anos.
    Atualmente dedica seu tempo a historificar cidades, igrejas presbiterianas (é presbítero nessa denominação evangélica desde 1975).e vida de pastores.
    Em novembro de 2014 foi agraciado com o título de Cidadão Aluminense pela Câmara Municipal da cidade de Alumínio, SP. 

    Toda crítica construtiva e sugestões para a melhoria deste trabalho podem ser enviadas pelo e-mail: prebwilson@hotmail.com



    2 comentários:

    1. Meu nasceu em Santa Cruz do Rio Pardo e eu gostaria de saber se existe alguém da família Soré na cidades. O nome dele era Armando Soré.

      ResponderExcluir
    2. Meu nasceu em Santa Cruz do Rio Pardo e eu gostaria de saber se existe alguém da família Soré na cidades. O nome dele era Armando Soré.

      ResponderExcluir