segunda-feira, 22 de agosto de 2016

COMO SE DÁ A FORMAÇÃO DE UM PASTOR PRESBITERIANO

APRESENTAÇÃO

Sabe-se que os padres que ministram no Catolicismo Romano têm uma formação superior feita em seminários, nos quais os candidatos ao sacerdócio obtêm a necessária formação para o exercício da sua função.
Além disso, cumprem formalidades e passam por ritos e cerimônias até chegar ao ofício sacerdotal.
E entre os cristãos evangélicos, como é a formação dos ministros, ou pastores, como são mais conhecidos?
Como existem muitas denominações evangélicas (ou protestantes), vamo-nos ater aos pastores presbiterianos no que diz respeito aos requisitos para a formação e ordenação deles.

COMO SE  DÁ A FORMAÇÃO DE UM MINISTRO DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL

Várias etapas antecedem a ordenação de um Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil.
Procuraremos aqui mostrar quais são elas:

Do “Aspirante” ao Ministério

1.     Requisitos para apresentar-se ao Conselho da Igreja:
1.1.  ser membro em plena comunhão
1.2.  ser membro perfeitamente integrado
1.3.  ser membro há pelo menos dois anos.

2.     Perante o Conselho:
2.1.  exame preliminar quanto a vocação e dom ministerial
2.2.  se aprovado, arrolar como “Aspirante” e comunicar, por escrito, ao Presbitério ao qual a Igreja está jurisdicionada

3.     Responsabilidades do Conselho da Igreja:
3.1.  observar e acompanhar o aspirante pelo período de um ano
3.2.  indicar um trabalho específico para o aspirante: aula da Escola Bíblica Dominical, pregar, dirigir reuniões e outras atividades
3.3.  exigir um relatório detalhado do aspirante no final do período de um ano
3.4.  acompanhar o trabalho do aspirante através do Pastor da Igreja
3.5.  avaliar periodicamente o aspirante
3.6.  após o período de observação, encaminhar o aspirante ao Presbitério para exame
3.7. dialogar com o aspirante e sua família quanto a participação financeira dos mesmos na sua formação. O Presbitério Unido (PRUN) do qual nossa Igreja é membro, desde 2003, não arca com despesas de mensalidades, taxas, matrículas, auxílio moradia ou qualquer outro custo ligado ao sustento de aspirantes ou candidatos.

4.     Responsabilidades do aspirante (durante o ano de observação/preparo):
4.1.  ler a Bíblia toda
4.2.  sob a orientação do Pastor da Igreja, escolher e ler sete livros entre os seguintes: “O peregrino”, J. Bunyan – “Mais que um carpinteiro”, J.Mcdowl – “Em seus passos o que faria Jesus”, R. Sheldon – Seguir a Jesus, o mais fascinante projeto de vida”, Cáio Fábio – “Celebração da disciplina”, R.Foster – “Icabode”, R.Amorese – “A luta”, J.White – “Lições aos meus alunos”, C.H.Spurgeon – “Ministério Ideal”, C.H.Spurgeon – “Obreio aprovado”, R.Baxter – “Liderança espiritual”, O.Sanders – ‘” Discipulado espiritual”, O.Sanders – “Até os confins da terra”, R.Tucker – “Cristianismo através dos séculos”,  E.Carns
4.3.  fazer as leituras e estudos que lhe permitam comprovar maturidade, desenvolvimento sócio-cultural e eclesial e facilidade para expor a Bíblia, dar aulas na E.B. Dominical, pregar o Evangelho, dirigir reuniões, com relativo conhecimento bíblico, conhecimento da Igreja, inclusive administração e governo, doutrina, sacramento e ministério
4.4.  concluir ou Ter concluído o 2º grau ou equivalente, legalmente comprovado
4.5.  apresentar relatório periódico e anual de suas atividades ao Conselho da Igreja.

De “Aspirante” para “Candidato”

5.     Responsabilidades do aspirante:
5.1.  relatório detalhado das atividades realizada durante o ano de observação e preparação
5.2.  declaração de leitura da Bíblia toda e de sete dentre os livros indicados
5.3.  atestado de sanidade física, por profissionais indicados pelo Presbitério
5.4.  atestado de sanidade mental, por profissionais indicados pelo Presbitério
5.5.  certificado de conclusão do 2º grau ou equivalente; no Presbitério Unido (PRUN), ao qual pertence nossa Igreja, desde 2003, é exigido grau superior reconhecido pelo MEC
5.6.  curriculum vitae

6.     Responsabilidades do Conselho da Igreja:
6.1.  declaração de membresia, contendo data de profissão de fé e de recepção como membro
6.2.  relatório sobre o “modus faciente” e “modus vivendi” do aspirante quanto a sua recepção, período, trabalho designado, periodicidade de avaliação  e parecer final
6.3.  carta encaminhando o aspirante ao Presbitério
6.4.  informações sobre a participação financeira da Igreja e família na formação do aspirante

7.     Responsabilidades do Presbitério:
7.1.  verificar se todos os requisitos foram cumpridos pelo aspirante e Conselho da Igreja
7.2.  verificar se todos os documentos foram entregues e estão corretos
7.3.  analisar os atestados de sanidade física e mental
7.4.  examinar o aspirante conforme o art. 116, da CI/IPB (“. . . o Concílio examinará o aspirante quanto aos motivos que o levaram a desejar o ministério; e, sendo satisfatórias as respostas, passará a ser considerado candidato.”)
7.5.  se aprovado, declarar como “Candidato”, designar Seminário onde estudará e, portanto, onde deverá prestar vestibular, e nomear tutor eclesiástico.

Do Candidato e do Tutor:

8.     Responsabilidades do candidato:
8.1.  informar mensalmente o Tutor sobre problemas, dificuldades e atividades, práticas pastorais e eclesiásticas
8.2.  comunicar ao Tutor quaisquer decisões quanto a vida pessoal, inclusive de natureza espiritual e afetiva
8.3.  cientificar o Tutor de obras teológicas e/ou de cultura geral, solicitando inclusive, se for o caso, sugestões bibliográficas específicas
8.4.  comunicar ao Tutor problemas de saúde, se houver
8.5.  comparecer a todas as reuniões ordinárias do Presbitério.

9.     Responsabilidades do Tutor:
9.1.  acompanhar o candidato em sua vida acadêmica, vocacional e espiritual naquilo que se fizer necessário
9.2.  comunicar ao Presbitério (Comissão Permanente de Candidatos) os problemas cujas soluções não conseguir pessoalmente
9.3.  atender ao candidato em suas necessidades referidas no item 8.1. acima
9.4.  participar das reuniões trimestrais da Comissão Permanente de Candidatos
9.5.  prestar relatório trimestral à C.P. de Candidatos dentro de espírito destas normas
9.6.  orientar o candidato e prover campos para a prática pastoral, caso o candidato não consiga
9.7.  contribuir, com todo empenho, para o crescimento intelectual, espiritual e teológico do candidato
9.8.  relacionar o candidato do melhor modo possível com o Presbitério e suas Igrejas
9.9.  determinar que o candidato esteja presente a todas as reuniões ordinárias do Presbitério, prestando serviços e se familiarizando com os trabalhos conciliares. 


Fonte: - Boletim Informativo da 40ª Reunião Ordinária do Presbitério Unido – 10 a 12/02/2000.    
- Resolução n.º 20 - Manual do Aspirante, do Candidato e do Tutor
- Boletim Informativo da 48ª Reunião Ordinária do Presbitério Unido – 29 e 30/11/2002
- Resolução n.º 6.


ACERVO FOTOGRÁFICO


Rev. Ashbel Green Simonton
Fundador do presbiterianismo
no Brasil em 1859

Rev. José Manoel da Conceição
1º pastor presbiteriano brasileiro

Rev. Roberto Brasileiro Silva
Presidente do Supremo Concílio
da Igreja Presbiteriana do Brasil

Imposição das mãos na ordenação de um
pastor presbiteriano

Após a ordenação, o pastor presbiteriano faz
 sua primeira impetração da bênção apostólica

Seminário Presbiteriano do Sul (Campinas, SP)

Seminário Presbiteriano do Norte (Recife-PE)

Seminário Presbiteriano Rev. José 
Manoel da Conceição (São Paulo,  SP)

Universidade Presbiteriana Mackenzie
 (São Paulo, SP)

Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro

Igreja Presbiteriana de Sorocaba (Centro)


Vídeo - Jubilação do Reverendo Leocádio Carpiné


JUBILAÇÃO

A jubilação do pastor presbiteriano acontece quando o obreiro completa setenta anos de idade. Até pouco tempo era compulsória, porém agora é facultativa. 
No vídeo que mostramos sobre a jubilação do pastor Carpiné temos a cerimônia oficial que a Igreja Presbiteriana do Brasil realiza, homenageando assim seu ministro que deixa a ativa, porém não o impede de continuar pregando, ensinando e participando dos concílios da igreja.



AGRADECIMENTO


Agradecemos o Reverendo Manoel Peres Sobrinho, decano do Presbitério Leste Sorocabano, o qual foi nosso pastor nas Igrejas Presbiterianas de Alumínio e de Mairinque.
Sempre muito gentil, foi ele quem nos enviou o material didático que utilizamos para fazer este trabalho.

Natural de Votorantim, o Reverendo Manoel fez seu curso teológico no Seminário Presbiteriano do Sul em Campinas e mestrado na Universidade Mackenzie.


CONCLUSÃO

         Este trabalho pode ser melhorado através de críticas construtivas e sugestões. É assim que tenho feito com todas as postagens publicadas em meu blog.

        Portanto, se você tiver qualquer contribuição a fazer, poderá entrar em contato comigo através do e-mail indicado no final desta publicação, ou por mensagem no Facebook.

SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM



Wilson do Carmo Ribeiro é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. 
É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.
E-mail: prebwilson@hotmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário