segunda-feira, 14 de setembro de 2015

ANA, MÃE DO PROFETA SAMUEL

APRESENTAÇÃO


            O estudo que estamos apresentando hoje está baseado em I Samuel 1.1-28 e discorre sobre Ana a mãe do profeta Samuel.
Embora o texto nos traga uma história bastante conhecida e muito trabalhada principalmente em reuniões promovidas por mulheres de nossas igrejas, sempre haverá alguma coisa que possamos aprender com essa mulher, uma das mais admiráveis personagens do Velho Testamento e quiçá de todo o Livro Sagrado.
Vamos ao estudo que, como os demais recentemente apresentados, foi selecionado entre os diversos existentes na Internet:



Introdução: A Bíblia não nos oferece muitos detalhes sobre a vida de Ana, contudo, lendo as entrelinhas, percebemos uma história bem maior, um drama que tem se repetido muitas vezes, inclusive em nossos dias atuais; pessoas decepcionadas com as circunstâncias inexplicáveis desta vida. 

A primeira impressão que temos de Ana é a de uma “mulher atribulada de espírito”, sobrecarregada de “excesso de ansiedade”. Ela quis agradar ao seu marido, mas, por alguma razão, seus desejos foram frustrados. Por que ela ficou entristecida desta maneira? Ela começou sua vida feliz e cheia de esperanças, porém, aos poucos, as suas aspirações tornaram-se sonhos que não tinham nenhuma realização. Assim, a melancolia nasceu e as lágrimas escaldantes queimavam-lhe o rosto constantemente. 

E, pior ainda, apesar de ser piedosa e assistir com assiduidade aos cultos de costume, ela começou a questionar a atuação de Deus. Será que Ele realmente ouve e atende as nossas orações? Será que Ele tem interesse numa simples mulher, numa mera dona de casa que não consegue agradar ao seu marido como ele gostaria? Vamos examinar esta vida que representa, com as devidas variações, a experiência de muitas pessoas. 

1. A pressão de Ana. Podemos começar com o dia de seu casamento; Ana ao lado de Elcana, seu marido, era jovem alegre e sonhadora. Eles convidaram o sacerdote para pedir a bênção de Deus sobre aquela nova união, na certeza da aprovação divina. Ela ainda não vira a casa nova que Elcana tinha preparado com tanto cuidado e carinho. Ele amava Ana de todo o seu coração e somente o melhor serviria para a sua esposa. E Ana sonhava: eu vou ser a melhor dona de casa e darei uma multidão de filhos para meu marido. 

Mas, infelizmente, os nossos sonhos nem sempre se realizam de acordo com os nossos planos. Sem dúvida alguma, Ana era uma boa dona de casa; mas, e os filhos que ela tanto desejava? Os meses se passaram, porém, não lhe nasceu nenhum filho. O marido começou a fazer perguntas; as amigas da vizinhança também perguntavam, mas Ana não conseguiu lhes dar nenhuma explanação. Assim, por causa das muitas importunações, Ana começou a sentir uma pressão crescente; e desta surgiu um questionamento: “Por que Deus tem encerrado a minha madre? Será que Ele está me castigando por alguma falta? Mas qual é o meu pecado? Procuro andar sempre no temor do Senhor; não sei o que fazer.” 

Neste meio tempo, Elcana também começou a sentir as pressões de uma preocupação crescente. “Por que Ana não está me dando filhos? Eu preciso de filhos. O meu nome não pode desaparecer em Israel. A minha herança tem de passar para os meus filhos. Preciso resolver este problema porque os anos estão passando.” 
Seguindo os costumes de seus pais, Elcana resolveu o problema tomando para si uma segunda esposa. E deu certo! Penina logo lhe deu a desejada família, filhos e filhas. 

Mas, e Ana? Como é que ela se sentiu diante desta mudança? A casa que era a alegria de seu coração foi repartida com uma segunda esposa! Penina soube que Ana era a mais amada, por isso, usou todas as oportunidades para atormentá-la por causa da sua esterilidade. Mas que Ana podia fazer? Era a verdade; a sua madre não se abria para gerar filhos. 

Gradativamente Ana afastou-se da vida familiar. Ela não suportava os olhares provocadores de Penina. E, em seu quarto, sozinha, Ana rasgava o seu coração com perguntas intermináveis: “Por que Deus está me provocando desta maneira? Com efeito, inutilmente conservo puro o coração e lavo as mãos na inocência. Pois de contínuo sou afligida e cada manhã castigada” (Sl.73:13-14). É tão difícil alimentar uma esperança quando, aparentemente, não há nenhuma.  

Quantas pessoas já vacilaram diante das estranhas providências de Deus! Não é fácil manter-se firme na fé quando parece que tudo está agindo contra a nossa felicidade. Davi, apesar de todas as provações que vieram de todos os lados, disse: “Quanto a mim, bom é estar junto a Deus; no Senhor Deus ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos” Sl.73:28. 

2. A Precisão de Ana. Até o presente ponto, qual era a necessidade mais urgente de Ana? Entendemos que até então, Ana nunca declara a sua dependência de Deus. Juntamente com tantas outras pessoas, ela estava lutando sozinha, carregando todas as suas ansiedades, sem buscar o auxílio de Deus. Sim, ela participava dos cultos públicos, porém, nunca aprendera a derramar a sua alma diante do Senhor em oração suplicante. Ela ouvia as promessas de Deus, tal como: “Não temais: aquietai-vos e vede o livramento do Senhor,” porém, nunca conseguiu tomar posse da bondade de Deus, Ex.14:13; Gn.24:12. 

O tempo passou e, mais uma vez, chegou o dia de prestar culto a Deus. Ana foi obrigada a andar com Penina e seus filhos até Siló. E, novamente, Penina não perdeu a oportunidade para caçoar da esterilidade da rival. Era tão difícil suportar estas provocações! Ela não agüentava mais aquelas ofensas.  Chorando, recusou a comida, porém, uma decisão estava se formando em seu coração atribulado. Em seu desespero, ela resolveu tomar uma atitude. O texto diz: “Levantou-se Ana e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente.” Ela tinha chegado ao fim de seus próprios recursos e resolveu “derramar a sua alma perante o Senhor.” 

Quando os caminhos de Deus parecem tão injustos e incompreensíveis, temos a tendência de ficarmos estóicos, paralisados por uma impassibilidade sufocante. Porém, tudo muda quando resolvemos agir pela fé e derramar a nossa alma perante o Senhor. “Lançando sobre Ele toda a nossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de nós” 1 Pe.5:7. O Salmista passou por experiências incompreensíveis, porém, quando entrou no “Santuário de Deus”, a nuvem de perplexidade se dissipou, Sl.73:17. Ana teve a mesma experiência, orou e Deus ouviu a sua súplica. Um verdadeiro encontro com o Senhor é capaz de resolver todas as nossas ansiedades. Qual foi o efeito imediato desta comunhão espiritual? O texto afirma: “Assim a mulher se foi seu caminho, e comeu, e o seu semblante já não era triste.” Este encontro espiritual sempre se manifesta sensivelmente sobre as nossas disposições interiores, “porque o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado” Rm.5:5. Qual foi a precisão de Ana? Qual é a precisão de cada um de nós? Um encontro com o Senhor! Cristo disse: “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” Jo.3:3. 

3. A Premiação de Ana. Com as esperanças vivificadas, Ana logo fez conhecida a sua petição. Sim, ela ainda queria um filho, mas agora, o motivo era diferente. Em vez de ter um filho só para agradar ao seu marido, ele seria um nazireu, consagrado para servir ao Senhor. Em sua infinita sabedoria, Deus estava preparando um homem que iria transformar a face moral e espiritual de uma nação inteira. 

As providências de Deus, embora não compreendidas no momento, estão sempre executando os seus propósitos secretos. Por que Ana tinha de passar por todos aqueles anos difíceis? No início, talvez ela fosse motivada por pequenos egoísmos. “Esta casa é minha. Meu marido é somente meu.” Mas, através das duras circunstâncias, Ana teve de abrir mão destes valores pessoais. Seja qual for a explanação das providências proporcionadas a Ana, reconhecemos que ela era agora uma mulher livre de egoísmos e totalmente capacitada para criar o prometido filho para o serviço de Deus. 

Ana não recebeu nenhuma revelação quanto ao modo de criar o seu filho. Ela teria de fazer exatamente o que cada mãe e pai têm de fazer em nossos dias: seguir as normas estabelecidas por Deus nas Escrituras Sagradas. Certamente ela ponderava sobre o texto em Dt.6:4-9 (Leiam-no). 

Ana soube que teria de devolver o seu filho ao Senhor; soube que ele teria de ser entregue já “arraigado e alicerçado” no Senhor, Ef.3:17, apesar de sua tenra idade; um menino recém desmamado. Como é que ela conseguiu este objetivo em tão pouco tempo? Ela descobriu o princípio de “remir o seu tempo” Ef.5:15-17. Enquanto amamentava o filho, sussurrava em seus ouvidos a Lei de Deus. Enquanto costurava as roupas dele, orava, pedindo que o Espírito Santo fizesse a devida aplicação das Escrituras Sagradas. 

Chegou o dia para devolver o seu filho ao Senhor, e embora fosse “ainda muito criança”, ele estava preparado para servir ao Senhor durante o resto de sua vida. Ana perdeu o contato físico com seu filho, porém, através de suas orações incansáveis, um elo de comunhão espiritual foi estabelecido. “Crescia Samuel, e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra” 1Sm.3:19. E qual foi o prêmio de Ana? Ela teve a alegria de ver um filho fiel, ministrando perante o Senhor. 

Conclusão: As estranhas providências de Deus podem esquadrinhar o nosso coração e provocar grandes angústias espirituais. Não é fácil manter-se esperançoso quando parece que tudo está agindo contra a nossa felicidade. Qual é a resposta? Esperar no Senhor e evitar qualquer atitude precipitada. (Sl.40:1-4). 


Fonte: http://personagembiblico.blogspot.com.br/2014/08/ana-mae-de-samuel-uma-historia-de.html



CONCLUSÃO

         Este trabalho pode ser melhorado através de críticas construtivas e sugestões. É assim que tenho feito com todas as postagens publicadas em meu blog.
        Portanto, se você tiver qualquer contribuição a fazer, poderá entrar em contato comigo através do e-mail indicado no final desta publicação

SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


Wilson do Carmo Ribeiro é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante.
 É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.

E-mail: prebwilson@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário