sexta-feira, 4 de setembro de 2015

A MULHER SAMARITANA

APRESENTAÇÃO

        
Neste trabalho apresentamos um estudo a respeito do encontro de Jesus e a Mulher Samaritana, selecionado entre diversos que encontramos na Internet.
         Além das lições que o encontro que a mulher teve com Jesus nos apresenta, podemos aprender um pouco a mais a respeito do porque do ódio que existia entre judeus e samaritanos que perduravam nos tempos de Jesus.
         Vamos ao estudo:

“O encontro da mulher samaritana com o Senhor Jesus revela como Ele derrubou três barreiras: racial, social e religiosa.
1.      Fundo Histórico:
A Palestina, nos tempos do Senhor Jesus, estava dividida em três províncias: Galiléia, ao norte, Judéia, ao sul, e Samaria, entre as duas. Uma viagem, da Judéia à Galiléia, poderia durar três dias (se o viajante passasse pela Samaria) ou seis dias se, evitando a passagem pela Samaria, cruzasse o rio Jordão, seguindo pela margem oriental, cruzando novamente o rio ao norte da Samaria, chegando, assim à Galiléia. Devido à inimizade entre os judeus e os samaritanos, muitos judeus usavam a rota mais longa para evitar a passagem pela Samaria.
a)      Inimizade entre judeus samaritanos
Essa inimizade tem suas raízes nos anos 720 a.C., quando o rei da Assíria derrotou Samaria, deportou os israelitas para a Assíria (II Reis 17.6) e trouxe pessoas da Babilônia e de outros países pagãos, estabelecendo-os nas cidades da Samaria, para desalojar os israelitas, de acordo com II Reis 17.24. O casamento entre esses estrangeiros e os israelitas que haviam escapado do exílio, contribuiu para as tensões entre samaritanos e israelitas.
Mais tarde, sob a liderança de Esdras e Neemias, quando os israelitas regressaram do exílio, os samaritanos quiseram participar da reedificação do templo de Jerusalém; porém, como eram odiados, sua oferta foi veementemente rechaçada. Essa inimizade aumentou quando, em 450 a.C, o filho de Eliasibe, o sumo sacerdote, se casou com a filha de Sambalat, o heronita (Neemias 13.28) e, ao negar divorciar-se de sua esposa estrangeira, foi proibido aproximar-se do templo do Senhor em Jerusalém. Além disso, foi induzido por Sambalat a construir um templo especial para os samaritanos sobre o Monte Gerizim. Desde então, adoraram em seu próprio monte, e isso levou a mais desprezo da parte dos judeus. A religião samaritana se assemelhava ao judaísmo, mas nos pontos chaves haviam tomado seu próprio caminho. Aceitavam somente os primeiros cinco livros da Torá, e insistiam que o Monte Gerizim, não Jerusalém, era o lugar apropriado para adorar a Deus. Afirmavam, também, que Deus havia pedido a Abraão que sacrificasse seu filho Isaque no Monte Gerizim e não no monte na terra de Moriá, como está escrito em Genesis 22.2.
Os samaritanos insistiram que poderiam adorar ao Deus único em Samaria; os judeus mantiveram que isso somente poderia realizar-se no templo de Jerusalém. Por tanto, Jesus, como judeu, está em uma região em conflito com judeus e isolada deles. Por causa das leis acerca da pureza ritual e da comidakosher (limpa) os samaritanos e os judeus não estavam comendo juntos. Tudo isso desempenhou um papel no diálogo entre Jesus e a mulher samaritana.
b)      Uma mulher vem tirar água
Sim, esta situação pode acontecer diariamente em milhões de lugares em todo o mundo. A água é o elemento de que se necessita para sobreviver, em mais de uma maneira. A água é mais importante que a comida. A água limpa é chave para a sobrevivência e para a boa saúde. Onde a água está contaminada, as enfermidades e a pureza estão intimamente ligadas. A boa saúde está diretamente relacionada à importância de se ter água limpa. Nos dias atuais, cerca de 884 milhões de pessoas no mundo não têm fácil acesso à água limpa. O transporte de água é um trabalho duro, leva tempo e é feito principalmente pelas mulheres. A UNICEF afirma: "O acesso à água local aumenta as oportunidades para as mulheres e aumenta os direitos das mulheres no mundo em desenvolvimento". Nos lugares onde a água potável não é proporcionada pela comunidade, as mulheres têm de caminhar longas distâncias para encontrá-la. Esse era também o caso nos tempos de Jesus. A mulher veio tirar água.
2.      A Ocasião
Jesus estava viajando com seus discípulos desde a Judéia, no sul, até a Galiléia, no norte. Em vez de evitar passar pela Samaria (como fazia a maioria dos judeus), escolheu a rota mais curta, que passava pela Samaria. Eles chegaram a um lugar da Samaria chamado Sicar, localizado próximo ao deserto, onde estava o poço de Jacó (com uma profundidade de 100 metros), próximo da terra que Jacó havia dado a seu filho José (João 4.5-6; Gênesis 28.22). Esgotado, Jesus sentou-se próximo ao poço, enquanto seus discípulos entraram na cidade para comprar alimentos. O poço foi o mesmo onde Isaque se encontrou com Rebeca, e onde Jacó reconheceu Raquel (Gênesis 24.11; 29.10) Era a hora sexta (meio dia), uma hora quando usualmente o lugar estava vazio por causa do calor. A referencia à hora sexta está vinculada a Jesus (João 19).
(Nota da tradutora: No texto, a hora sexta era a hora da condenação de Jesus perante Pilatos. As costas foram traspassadas no v. 34, porque se aproximava o por do sol). A hora poderia ser uma referencia de como Jesus morreu e o que fez por nós, dando-se a si mesmo como a água viva.
3.      Os Fatos
*  Jesus, um homem sedento em um lugar deserto, lugar de muito calor, mostra sua própria necessidade à mulher samaritana, pedindo-lhe de beber.
*  A mulher, atônita, questiona porque ele a escolheu: ele é judeu, enquanto ela é samaritana: ele é homem, e ela é mulher. Jesus inicia uma conversação com um pedido e ela segue com suas próprias perguntas. Um diálogo se inicia. Ela tem conhecimento de sua tradição e pode falar claramente acerca das distinções entre os judeus e os samaritanos.
*  "Mas Jesus, deixando de lado as barreiras raciais, religiosas e sociais, responde: "Se conheceras o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias e ele te daria água viva."
*  "Senhor", objeta a mulher, "não tens com que tirá-la e o poço é fundo. Donde, pois, tens a água viva? Acaso tu és maior que nosso pai Jacó, que nos deu este poço, do qual ele bebeu"?
*  Jesus, ignorando a pergunta, procura dirigir sua atenção para o sentido espiritual de suas palavras: "Qualquer que beber desta água voltará a ter sede; mas quem beber da água que eu lhe der, jamais terá sede." Muito emocionada, a mulher responde, "Senhor, dá-me dessa água para que eu não tenha mais sede, nem venha aqui para tirá-la."
*  Embora a mulher samaritana não pudesse entender a dimensão espiritual, ficou profundamente comovida pela maneira respeitosa que Jesus havia se dirigido a ela.
*  Jesus lhe pede que vá e chame seu marido e ela responde com a verdade, que não tem marido.
* A mulher samaritana frequentemente é mostrada como uma pecadora de má fama. Mas esta imagem deve ser examinada. Sabemos de outras passagens do Antigo Testamento, e do relato de Rute, que quando um homem casado morria sem filhos, era dever de seu parente mais próximo casar-se com a viúva. Seria provável que esta mulher tivesse sido forçada a aceitar seus esposos sucessivamente, ao morrer um em seguida ao outro. O homem com quem ela vivia na ocasião podia ter sido um parente próximo aproveitando dela, negando-se a legalizar o vínculo matrimonial.  Mais que isso, ela poderia estar na situação de ser vítima de pecado em vez de pecadora. Houve pecado contra ela, em vez de ela haver pecado.
*  Dando conta de que Jesus sabia de sua situação, ela o reconhece como um homem de Deus.  "Parece que tu és profeta," comenta.
* Havendo descoberto que Jesus não é um homem comum, busca sua opinião sobre a problemática judeu /samaritano sobre a adoração: "Nossos país adoraram neste monte" (em seu próprio templo, destruído em 129 a.C.), "e vós dizeis que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar."
* Alguns comentaristas contrastam o relato de Nicodemos, o fariseu visitando Jesus à noite, com a mulher samaritana. Jesus começa sua missão com a comunidade judaica, mas abre a missão aos gentios, passando por Samaria.
* Quando a mulher expressa a Jesus sua fé no Messias esperado, sua resposta é: "EU SOU (quem fala contigo)", chamando-se a si mesmo pelo mesmo nome que Jesus utilizou para referir-se quando falou com Moisés: EU SOU (Êxodo 3.14).
* Quando os discípulos regressaram ao poço, surpreenderam-se ao encontrar Jesus conversando com a mulher samaritana; mas não disseram nada.
*  Havendo conhecido o Messias por si mesma, e havendo bebido da água viva que Ele deu, a mulher esqueceu seu cântaro e correu para a cidade para compartilhar as boas novas com seus concidadãos.
4.       A Água viva oferecida por Jesus
Esta "água viva também está mencionada no Antigo Testamento: "Tirareis com gozo águas das fontes de salvação" (Isaías 12.3);" ... Meu povo: deixou-me a mim, fonte de água viva..." (Jeremias 2.13).
O significado disso é que o chamado de Jesus à mulher samaritana foi o mesmo chamado que Deus fez a seu povo no Antigo Testamento. É o mesmo chamado que nos faz hoje:
"Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas.
Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis?
Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo." (Isaías 43:18-19)
Depois de conhecer Jesus, a mulher samaritana deixa seu passado e, bebendo de sua Água Viva, faz-se missionária aos demais, produzindo muito fruto. Como essa mulher, somos chamadas a beber da Água Viva, e a viver uma vida frutífera no presente.
http://www.cebi.org.br/noticias.php?secaoId=21&noticiaId=4695



SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM



Wilson do Carmo Ribeiro é pedagogo, historiador diletante e presbítero em atividade na Igreja Presbiteriana do Brasil há mais de 40 anos. Juntamente com a esposa professora Claudineide Marra Ribeiro, congrega na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.

E-mail: prebwilson@hotmail.com




Nenhum comentário:

Postar um comentário