quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

HISTÓRIA ILUSTRADA DA CIDADE DE BAURU




APRESENTAÇÃO




         Conheci Bauru em 1986 junto com minha esposa Claudineide, quando fomos visitar nossos parentes queridos: meu tio Genésio sua esposa Marcolina,  e a filha Sueli naquela bela cidade, a qual tem o cognome de “A Cidade sem Limites”
         Lá estivemos outras vezes sendo que na última delas em julho de 2006 quando nosso querido tio faleceu. Um pouco antes disso pudemos passar alguns dias com eles, quando então o tio já estava com sua saúde bastante debilitada.
         Entretanto o nome da cidade de Bauru sempre esteve presente em minhas lembranças pois ainda no curso primário tive em mãos um livro tipo brochura que estampava todas as ferrovias existentes no Estado de São Paulo. Lá estava Bauru, servida pela Sorocabana, pela Paulista e sendo ponto inicial da Estrada de Ferro Noroeste.
        Em 1956, quando tinha apenas 15 anos comecei a ouvir falar de Pelé e de sua história, com passagem pelo infantil do Bauru A.C. O pequeno Edson, oriundo da cidade de Três Corações, MG, residiu na cidade com sua família.
        Soma-se a isso o fato de gostar de futebol e o E.C. Noroeste sempre se fez presente no cenário desportivo do Estado de São Paulo, inclusive com passagens pela Primeira Divisão de Profissionais da Federação Paulista de Futebol.
        Além do mais, quem não conhece o saboroso lanche que leva o nome da cidade e que lá foi criado por um de seus moradores?

HISTÓRIA

“Foi por volta de 1856 que Felicíssimo Antônio de Souza Pereira e Antônio Teixeira do Espírito Santo, ao se estabelecerem nesta região, iniciaram um difícil trabalho, isto é, a derrubada das matas seculares, onde ergueram paliçadas rústicas e levantaram casebres para que pudessem alojar suas famílias. O duro aço das ferramentas feria, pela primeira vez, a terra recém-conquistada, com o início de diferentes plantações. Para garantir sua propriedade, Felicíssimo Antônio de Souza Pereira se deslocou até Botucatu, numa viagem demorada e lá registrou a posse, colocando no final do documento: Bauru, 15 de abril de 1856. Era, talvez, a primeira vez que o nome de Bauru, como povoado, aparecia em um documento oficial. Começava, desta maneira, a surgir a Vila de Bauru, um lugarejo modesto, humilde, mas que tinha tudo para expandir e transformar-se na grande cidade que hoje é. Chegavam novos moradores, parentes e conhecidos daqueles dois desbravadores considerados os fundadores de nossa cidade. Azarias Ferreira Leite, nascido na localidade de lavras, Minas Gerais, no dia 8 de dezembro de 1866, aqui chegou pela primeira vez em fins do século passado, tendo retornado em outras ocasiões para, em 1888 radicar-se definitivamente em Bauru com sua mulher Vicentina, filha de outro influente pioneiro - João Batista de Araújo Leite - que com ele para cá veio(era tio e sogro de Azarias). Novos colonos surgiram atraídos pela fecundidade dos sertões de Bauru, para aventurar fortuna. A lavoura cresceu e, onde anteriormente eram matagais, aparecia, agora, o verdor das plantações enfileiradas. Foi o início da marcha para o Oeste, o desabrochar de uma esperança para aquela região do Estado de São Paulo. De diferentes pontos do território brasileiro chegavam homens destemidos, e até mesmo representantes de outro povos que para o Brasil imigravam, para Bauru vinham e, assim, naquela mescla de raças se alicerçava a pequenina localidade. Nossa modesta vila era subordinada ao município de Fortaleza (próximo de Agudos) criado em 1887, cuja instalação, bastante solene, aconteceu no dia 7 de janeiro de 1889. No entanto, Bauru progredia e as quatro léguas que separavam o lugarejo nascente da sede do município eram um entrave ao seu progresso, principalmente quanto às dificuldades para a legalização de qualquer ato, por esse motivo um movimento emancipador começava a ganhar força. Em 1888, a Câmara Municipal de Lençóis a cujo município Bauru pertencia, por proposta que partiu do vereador Faustino Ribeiro da Silva, então presidente da edilidade daquela cidade, foi nomeado arruador para o patrimônio de Bauru o cidadão Vicente Ferreira de Faria. A ele coube tomar as primeiras providências que diziam respeito à urbanização da vila, delineando ruas e determinando o alinhamento das casas. O trecho da estrada onde já existiam construções passou a ser chamado de rua principal. As primeiras casas se localizavam na altura dos quarteirões 4, 5, 6, 7 e 8 da Araújo Leite. Ali foi o centro comercial dos primórdios de Bauru. Quanto à vida religiosa da terra bauruense, salientamos que foi ainda em 1888 que Faustino Ribeiro da Silva solicitou, à Câmara Municipal de Lençóis, um auxílio financeiro para o começo da construção de uma igreja em Bauru, finalmente erguida sobre quatro vigas de aroeira. Desta maneira, nasceu o primeiro templo católico dedicado ao Espírito Santo, onde os bauruenses expressavam suas religiosidade. A igrejinha estava entre a atual porta principal da Catedral e o coreto, por onde posteriormente veio a passar a rua Batista de Carvalho, visto a demolição do lendário templo em 1913. Lembramos que o primeiro sinal de religiosidade da então vila de Bauru surgiu com o erguimento de uma cruz, nos idos de 1886, bem defronte à atual catedral, no então Largo Municipal ou Jardim Público e que, a partir de 1923, recebeu a denominação mantida até hoje, isto é, praça Rui Barbosa. Foi assim que teve início a história da Paróquia do Divino Espírito Santo. Sempre lutando por Bauru, Araújo Leite e Azarias Leite em 1893 viajaram para São Paulo e lá procuraram os seus amigos de maior prestígio quando demonstraram o desenvolvimento e as possibilidades da região de Bauru, pedindo que entrassem em contato com as autoridades, a fim de que fosse criado um Distrito de Paz na cidade. Apesar da séria oposição de Lençóis e Fortaleza, finalmente no dia 30 de agosto de 1893 o dr. Bernardino de Campos, presidente do Estado de São Paulo, promulgou a Lei nº 209 que criou um Distrito de Paz na povoação de Bauru, anexa ao município de vila de Fortaleza. Aconteceram então as eleições para a escolha do primeiro juiz de Paz bauruense e nada mais justa a preferência que recaiu na pessoa de João Baptista de Araújo Leite, nome este sufragado por unanimidade. A instalação do Distrito aconteceu festivamente no dia 6 de julho de 1894, numa das salas da residência de Manoel Jacynto Bastos, em frente ao cruzeiro que este ajudara a levantar na praça Rui Barbosa, do lado da rua Gustavo Maciel. Outro fato importante para a vida bauruense estava para acontecer, visto que o modesto povoado iria realizar as suas primeiras eleições e, no auge das discussões entre os políticos de Bauru e os de Fortaleza, uma honrosa composição foi proposta, com os lideres de nossa cidade fingindo aceitar, possibilidades, que o sangue não viesse manchar aquele acontecimento. No Cartório de João Pedro de Oliveira funcionou a seção eleitoral do Distrito e o juiz de Paz, Araújo Leite, foi quem a presidiu sob os olhares rigorosos de uma fiscalização atenta de ambos os lados. E assim chegou-se o final do pleito(30 de julho de 1895), felizmente com a ausência de um conflito que estava previsto, mas não consumado. Procedida a votação, seis bauruenses conseguem se eleger: Manoel Jacynto Bastos, Domiciano Silva, João Antônio Gonçalves, José Alves de Lima, Joaquim Pedro da Silva e Francisco Pereira da Costa Ribeiro. Ardentes protestos são formulados pelos moradores da decadente vila de Fortaleza e até mesmo recursos surgem. Mas, em vão! O Senado Estadual ordena que a 7 de novembro se fizesse legalmente a apuração e a 7 de janeiro do ano seguinte os eleitos fossem empossados. A justiça vencera a prepotência e Bauru passou a comandar o domínio e a liderança no município, com a conquista do legislativo. Portanto, com a eleição da Câmara Municipal, bem como do intendente (prefeito) José Alves de Lima, ficaram definitivamente formados os dois poderes que iriam dirigir os destinos de Fortaleza e de Bauru. No dia da posse, porém, outro acontecimento veio provocar reclamações dos políticos de Fortaleza, quando o edil bauruense, João Antônio Gonçalves, tirou do bolso um papel amarrotado com uma indicação histórica, ou seja, propondo a mudança da sede do município, de Fortaleza para Bauru. Finalmente, depois de vários considerandos e salientamos que aquela Vila estava em completa decadência e total abandono, ao passo que a futurosa povoação de Bauru prosperava, aumentando a sua população dia a dia, indicava que fosse elevada a povoação de Bauru, pedindo-se para este ato a aprovação do Estado e informava, ainda, que desde este dia, 7 de janeiro de 1896, se considere mudada para Bauru a sede da municipalidade, dando-se conhecimento ao Governo. Após a transferência da sede, em todos os atos praticados pela Câmara Municipal figurava a denominação Município de Bauru, embora a situação ainda não contasse com a provação do Senado Estadual. Esta só veio a 1º de agosto de 1896, depois de um trabalho constante da política e da campanha pela imprensa de São Paulo, principalmente dos jornais o Estado e, do Correio Paulistano. Trabalharam pela aprovação no Senado Estadual, o dr. Ezequiel Ramos, que apresentou o projeto, o dr. Cerqueira César, este então membro da Comissão Central do PRP, e o dr. Júlio de Mesquita, do jornal Estado. Assim, naquele 1º de Agosto de 1896, o então presidente (governador) do Estado de São Paulo, dr. Manoel Ferraz Campos Salles, sancionava a lei nº 428, do Congresso do Estado e constituída do único e seguinte artigo: "O município de Espírito Santo de Fortaleza passa a denominar-se Bauru, mudando-se a sua sede para esta última povoação. A notícia do reconhecimento, pelo Senado, da situação criada pelos vereadores de Bauru, foi recebida na localidade de Bom Jardim (perto de Agudos) por telegrama de José da Costa Ribeiro. O despacho foi trazido a Bauru pelo estafeta Domiciano, antigo escravo, e tinha os dizeres: "Senado aprovou a mudança da sede do município, decretando a lei de hoje, transferindo a sede". Transcorridos alguns anos, com Bauru sendo comandada pelo prefeito Francisco Gomes dos Santos, uma notícia iria revolucionar e transformar totalmente o destino da cidade ou seja, a construção de uma ferrovia que demandasse a Mato Grosso, ligando aquele imenso território à vida econômica da Nação. Uma sugestão aconteceu primeiramente em 1852 e o estudo foi desenvolvido por meio de inúmeros projetos. Aceitando, naquela oportunidade, ponderações de Paulo de Frontin, em nome do Clube de Engenharia, o Governo baixou o Decreto nº 5349, de 18 de outubro de 1904, estabelecendo que a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brasil, em seu traçado definitivamente aprovado, seria a partir da vila de Bauru, que era localizada na chamada Boca do Sertão, ou onde fosse mais conveniente no prolongamento da Estrada de Ferro Sorocabana. Depois de vários estudos, novos planos, etc., a alta direção da Companhia enviou para Bauru o engenheiro Machado de Mello, formado na Bélgica, a fim de ser iniciada, imediatamente, a localização da nova estrada de ferro. Daí para frente uma incomum movimentação tomou conta do modesto lugarejo, visto as obras da ferrovia que tinham certa prioridade quanto ao seu término. Enquanto era construída a lendária NOB, os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana chegavam a Bauru em julho de 1905, num acontecimento marcante, pois a nossa cidade finalmente estava ligada a São Paulo por uma ferrovia. A pequena vila recebia com muitas festas o importante melhoramento. Enquanto isso, no ano seguinte, mais precisamente no dia 27 de setembro de 1906, a Noroeste inaugurava o seu primeiro trecho entre Bauru e Jacutinga (hoje Avaí). E a sua construção jamais sofreu solução de continuidade, apesar dos problemas com os índios que quase chegaram a paralisar as obras da influente ferrovia. Outro fato, ligado ao sistema ferroviário, veio transformar Bauru em um dos mais importantes entroncamentos ferroviários da América do Sul, ou seja, a chegada, em 1910, da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Estava, assim, formado aquele trinômio, alicerçado nas paralelas de aço, que foi responsável pelo impressionante progresso da Sem Limites. Em outros setores Bauru ganhava influentes benefícios. Foi fundada a Sociedade Dante Alighieri, isto em 1906 e nesse mesmo ano surgiu o jornal O Bauru, de propriedade de Domiciano Silva, homem público que foi o segundo prefeito bauruense. Aconteceu, em 1908, a inauguração do serviço telefônico. Também em 1908 o presidente da República, dr. Afonso Pena, visitou Bauru para inaugurar mais um trecho da E.F.Noroeste do Brasil. Ainda em 1908, além de a Câmara Municipal inaugurar o seu prédio próprio frente a área que viria ser a praça Rui Barbosa, a cidade ganhou o Cemitério da Saudade. Em 1910 um grupo de ferroviários fundou o E.C.Noroeste e naquele ano nasceu o nosso primeiro estabelecimento bancário e quando o mesmo seria inaugurado - Banco de Custeio Rural - aconteceu o assassinato de Azarias Leite, homem que simboliza, para todo o sempre o pioneiro da terra bauruense. Ele batalhou com todas suas forças para conseguir incontáveis benefícios para a cidade, inclusive a criação da Comarca, que foi uma de suas principais metas, porém quis o destino que ele, em vida, não pudesse comemorar a conquista. Precisou ser ele assassinado para que a Comarca fosse um fato concreto. Ela foi criada logo depois da morte de Azarias, ou seja, no dia 17 de dezembro de 1910 e a instalação aconteceu no dia 09 de março de 1911 com a posse de nosso primeiro juiz de Direito, Rodrigo Romeiro e do primeiro promotor público, Benjamin Pinheiro. Ainda em 1911, outro melhoramento que deu um maior impulso a cidade foi a inauguração da iluminação pública. Assim, com a conclusão dos prédios para a usina e a chegada do maquinário, no dia 16 de março de 1911 Bauru festejou ruidosamente o advento da iluminação. Salva de tiros, queima de fogos, execução de músicas por toda a cidade e bailes, marcaram o influente acontecimento. Santa Casa e a paz no sertão da Noroeste entre índios e brancos(1912), cadeia em prédio próprio e a criação do nosso primeiro grupo escolar (1913), que recebeu a denominação de Rodrigues de Abreu em 1939; a inauguração da praça Rui Barbosa e a fundação da Beneficência Portuguesa em 1914; a instalação do Banco do Brasil em 1918, e do Banco Comércio e Indústria em 1922; o início de funcionamento do tradicional estabelecimento de ensino dos irmãos Guedes de Azevedo e a chegada das religiosas do Sagrado Coração de Jesus que vieram, em 1926, dar um impulso ao então Externato São José , fundado em 1922 pelo padre Francisco Wan der Mass, são outros benefícios que Bauru ganhou até meados dos anos 20, que serviram de sustentáculo para o seu desenvolvimento. A história da terra bauruense é repleta de lances emocionantes e, se hoje vivemos numa cidade tranquila e hospitaleira, devemos isso aos pioneiros, homens que se sacrificaram para que pudéssemos desfrutar desta maravilhosa Bauru.”


INFORMAÇÕES SOBRE A GEOGRAFIA E OUTROS DADOS

Bauru pertence à unidade federativa de São Paulo, tem uma população de 359.429 habitantes, sendo a 17ª mais populosa do Estado de São Paulo. A densidade demográfica é de  533,68 hab. km²  (IBGE 2009).
Os municípios limítrofes são: Arealva, Reginópólis, Piratininga, Agudos, Pederneiras e Avaí. Dista 345 quilômetros da Capital e tem uma área de 673,49 k²
A altitude é de 526 metros e o clima é tropical de altitude Aw. O fuso horário é UTC 3 e o IDH é 0,825 (SP: 47°) - elevado PNUD/2000.
Tipo de solo: Arenito Pré cambriano Bauru (“Terra Branca”) A vegetação é constituída de Cerrado e Mata Atlântica.
A cidade é servida pelo Rio Batalha e Bauru (das flores) e pelas Rodovias:
SP 225 – Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros e Rodovia Engenheiro João Batista Cabral Rennó;
SP 294 – Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros;
SP 300 – Rodovia Marechal Rondon;
SP 321 – Rodovia Cesário José de Castilho.
Fonte: http://www.bauru.sp.gov.br/cidade/dados_geograficos.aspx



Região Administrativa de Bauru


 Bandeira do Município de Bauru



ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

 PODER EXECUTIVO

“Prefeito:
Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça
Nascido em Cafelândia (SP), em 12/12/77, é filho de Ronaldo de Sousa Mendonça e Valéria Dalva de Agostinho. Estudou no Colégio São José e é formado em Direito pela ITE - Instituição Toledo de Ensino. Rodrigo entrou para a história como o prefeito mais jovem eleito por voto direto em Bauru. Foi eleito aos 30 anos, ao disputar pela primeira vez a Prefeitura Municipal. Antes de Agostinho, segundo historiadores, Octávio Pinheiro Brisolla foi eleito prefeito de Bauru, aos 27 anos, pelos vereadores da cidade. Agostinho venceu as eleições de 2008, para o mandato 2009/2012, com 97.288 votos (54,30% dos votos válidos). Também conhecido por sua atuação como ambientalista, Rodrigo foi vereador por dois mandatos, um deles eleito como o vereador mais votado de Bauru, e secretário municipal do Meio Ambiente. Rodrigo também disputou a eleição para deputado federal, em 2006. Na Prefeitura, antes de ser secretário, Rodrigo foi também estagiário.

Vice-Prefeita:

Estela Alexandre Almagro
Fone: (14) 3235-1000
Praça das Cerejeiras, 1-59
A Vice-Prefeita Estela Almagro nasceu no Distrito de Tibiriçá (Bauru), em 5 de agosto de 1971. É filha de Pedro Alexandre Almagro, trabalhador rural, e Elisa Alexandre, dona de casa, sendo a irmã caçula dos nove filhos do casal. É casada há 17 anos com o vereador e Secretário de Esportes de Bauru, José Carlos Batata, é mãe de Victor e Gustavo, respectivamente, de 13 e 7 anos. Cursou a faculdade de Direito (ITE) e entrou na militância política no início dos anos 90 quando se aproximou das comunidades eclesiais de base e do Movimento Estudantil. Depois disso, foi secretária-geral e presidente do Diretório Municipal do PT de Bauru, Coordenadora da Macrorregião de Bauru e membro da Executiva Estadual. Atualmente faz parte do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores. Foi presidente do Conselho Municipal da Condição Feminina de Bauru e hoje está à frente da coordenação do grupo que, em Bauru, implementa o programa “Minha Casa, Minha Vida” do Governo Federal.”


 PODER LEGISLATIVO
         Os vereadores da Câmara Municipal de Bauru para a legislatura de 2013-2016 são:


Alexssandro Bussola
 
Antonio Faria Neto

Arildo de Lima Júnior

Fabiano A. Lucas Mariano

Fábio Sartori Monfrinato

Fernando Francelosi Mantovani

 Francisco Carlos de Góes

Luiz Carlos Bastazini

Marcos Antonio de Souza

Moisés Rossi

Natalino Davi da Silva
 Paulo Eduardo de Souza

Raul Aparecido Gonçalves Paulo

Renato Celso B. Purini

Roberval S. Bastos Pinto

Roque José Ferreira

Telma Regina da C. Gobbi





SEGURANÇA PÚBLICA 


Pc Portugal - Jardim Estoril IV 
Bauru, SP | CEP: 17016-150


Av Getúlio Vargas, 20055 - Parque Jardim Europa 
Bauru, SP | CEP: 17017-339 

 Av Duque de Caxias, 20055 - Vila Cardia 
Bauru, SP | CEP: 17014-340 

R Afonso Pena, 4050 - Jardim Bela Vista 
Bauru, SP | CEP: 17060-250 

 R Raffaele Mercadante, 2056 - Vila Mariana 
Bauru, SP | CEP: 17017-130 

 R Araújo Leite, 9006 - Centro 
Bauru, SP | CEP: 17012-432 

 Rod Marechal Rondon - km-350 - Chácara Bauruenses 
Bauru, SP | CEP: 17048-690 Como chegar

Rod Marechal Rondon - km-338 - Chácara Bauruenses 
Bauru, SP | CEP: 17048-690 

R Major Fonseca Osório, 4065 - Vila Antártica 
Bauru, SP | CEP: 17013-140 Como chegar

Av Rodrigues Alves, 38138 - Vila Caddia
Bauru, SP | CEP: 17034-285 

 Av Comendador Daniel Pacífico, 2117 - Vila Martha 
Bauru, SP | CEP: 17050-145 

Pc Dom Pedro II, 3020 - Centro 
Bauru, SP | CEP: 17015-230 

Pc Dom Pedro II, 3020 - Centro 
Bauru, SP | CEP: 17015-230 

 R Machado de Assis, 6055 - Jardim Nasralla 
Bauru, SP | CEP: 17012-140

Al dos Jasmins, 5010 - Parque Alto Sumaré 
Bauru, SP | CEP: 17020-560 
 Fonte: http://www.guiamais.com.br/busca/delegacias+e+distritos+policiais-bauru-sp (com adequações)



 Polícia Militar

Polícia Federal

Polícia Civil

Polícia Ambiental


Corpo de Bombeiros
 
Guarda Civil Municipal


EDUCAÇÃO

ENSINO FUNDAMENTAL

            O Município de Bauru conta com uma rede de ensino fundamental constituída de sessenta unidades de ensino, sendo duas na área rural e as demais na área urbana.
            A relação dos estabelecimentos de ensino com seus endereços, telefones, etc. pode ser vista em: http://www.bauru.sp.gov.br/secretarias/sec_educacao/fundamental.aspx

ENSINO SUPERIOR
Bauru é reconhecida por possuir grande número de instituições de Ensino Superior.
Universidades estaduais
Universidades particulares
Universidade Paulista (UNIP)
Universidade Nove de Julho (UNINOVE)
Faculdades
Pertencentes à UNESP
Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC)
Faculdade de Engenharia de Bauru (FEB)
Faculdade de Ciências (FC)
Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC) - (Governo do Estado de SP)
Instituto de Ensino Superior de Bauru (IESB)
Faculdades Integradas de Bauru (FIB)
Faculdade Fênix/Anhanguera Educacional.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_institui%C3%A7%C3%B5es_de_ensino_superior_de_Bauru



Colégio Adventista

 Dpto. Pedagógico da SME

Escola Dr. Luiz Zuiani

Faculdade de Odontologia

Faculdade Anhaguera

ONG de Educ., Cultura, Lazer e Esportes

ONG Periferia Legal

UNESP

Universidade Sagrado Coração

USP


CULTURA

A SECRETARIA

“Competências
A Secretaria Municipal de Cultura foi criada em 1993 como instrumento para desenvolver a política cultural em Bauru. Com o objetivo de democratizar o acesso às artes e às manifestações culturais de diversas áreas, incentivando a produção local, a Secretaria dotou-se, ao longo dos anos, de equipamentos multiplicadores de suas ações, sejam elas de formação, difusão ou de preservação cultural. Para efetuar o trabalho proposto, a Secretaria dividiu-se em dois Departamentos (de Ação Cultural e de Patrimônio Histórico) responsáveis pela implantação da política cultural da cidade. Eles organizam e administram todos os projetos, desde a pesquisa para detectar a necessidade de determinada área, até sua elaboração e implantação.
Serviços

Fonte: http://www.bauru.sp.gov.br/secretarias/sec_cultura/divisao_bibliotecas.aspx


Casa Ponce Paz 

Locomotiva exposta no Bosque da Comunidade


 Teatro Municipal

Virada Cultural

SAÚDE

“A SECRETARIA
Competências
A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem por finalidade:
Administrar a saúde da população segundo normas e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), garantindo a saúde como direito, integralidade da assistência, universalidade, equidade, resolutividade, intersetorialidade, humanização do atendimento, participação;
Investigar e analisar dados epidemiológicos e planejar ações de saúde para a população de Bauru;
Promover os cuidados à saúde no tocante à assistência médico-sanitária nas áreas de urgência e emergência, pediatria, ginecologia e obstetrícia, clínica geral, odontologia básica, vacinação e outros, conforme a necessidade da população;
Articular-se com os demais serviços públicos dando continuidade à implantação do Sistema Único de Saúde regionalizado e hierarquizado visando o aprimoramento e maior resolutividade das ações de saúde;
Criar canais de comunicação com a sociedade civil organizada que promovam a participação democrática na definição e controle da política municipal de saúde;
Planejar, executar e avaliar as ações que visem a promoção e prevenção de saúde e vigilância epidemiológica e sanitária da população como um todo, sem qualquer tipo de discriminação seja de cor, raça, sexo, preceitos religiosos, situação econômica, opinião política, etc;
Acompanhar, avaliar e decidir sobre a realização das ações previstas no Plano Municipal de Saúde;
Colaborar com instituições educativas na formação de profissionais da área de saúde, após a formalização necessária.”
Fonte: http://www.bauru.sp.gov.br/secretarias/sec_saude/sec_saude.aspx?sec=73


Hospital Centrinho

 Hospital de Base

Hospital Estadual

Hospital UNIMED



AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

A SECRETARIA

“Objetivos
A Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (SAGRA), tendo como princípios que a rege, promover o desenvolvimento sócioeconômico e cultural dos produtores rurais e de sua comunidade, e sabendo da necessidade de colocá-los frente às inovações tecnológicas, cada vez mais diversificadas, vê como necessidade de fortalecimento o Centro Rural de Tibiriçá, pois o mesmo encontra-se localizado em uma região de grande incidência de produtores rurais, além de toda a infraestrutura necessária.
O município de Bauru possui 80% de sua área na zona rural, onde se localiza grande número de micros, pequenas e médias propriedades rurais que trabalham em agricultura familiar.
O objetivo desta Secretaria é incentivar as atividades agropecuárias agregando valor à produção e serviços, resgatando o patrimônio cultural e natural da zona rural do município, gerando conhecimentos novos, emprego e renda, melhorando a qualidade de vida no campo.
Missão
Ser instrumento de política pública de apoio e fomento ao setor agropecuário e abastecimento visando promover o desenvolvimento rural sustentável por meio de ações participativas, da valorização da qualidade de vida, da conservação do meio ambiente e do resgate da cidadania.
Valores
Comprometimento
Respeito
Cooperação
Ética
Dedicação
Participação (trabalho participativo)
Espírito de equipe
Cumplicidade
Empatia (capacidade de se colocar no lugar do outro)
Visão de Futuro
Tornar a atividade agropecuária do município expressiva e consolidada, a fim de contribuir para o desenvolvimento sócioeconômico, cultural e político da população.
Diretrizes de trabalho:
Difusão de tecnologias
Compromisso com o homem do campo e com a sociedade
Agroindustrialização do município
Segurança alimentar
Organização e gerenciamento das feiras livres do município de Bauru
Infraestrutura rural
Conscientização e educação ambiental”


Restauração do prédio da CATI regional de Bauru


Curso sobre produção de sementes

Empório da SAGRA na Expo Bauru


 Estação Experimental

Primeira Expotécnica de Bauru


Segunda feira de produtos agrícolas

ESPORTES 

A SECRETARIA

“Competências
Compete à SEMEL administrar:
A manutenção dos estádios de futebol do município;
As escolinhas de futebol dirigidas por técnicos ou instrutores esportivos; 
Manter em funcionamento os ginásios municipais; agendar aos munícipes o uso de escolas ou ginásios, para o desenvolvimento esportivo, como no basquetebol, voleibol, futebol de salão, e outros;
Desenvolver projetos específicos de lazer nas praças e bosques da cidade, como campeonatos e torneios de futebol, futebol de salão, voleibol e outros esportes;
Selecionar as equipes que representam a cidade nos Jogos Regionais e Jogos Abertos do Interior;
Ajudar nos projetos e realizações desportivas, nos clubes da comunidade.
Diretrizes
Criar condições e incentivar a prática esportiva, como meio de aprimoramento da formação integral do cidadão;
Garantir nas regiões carentes o mesmo índice de oferta de praças esportivas, equipamentos e locais adequados, existentes nas regiões mais desenvolvidas da cidade;
Incentivar a participação da iniciativa privada e outras esferas do governo no patrocínio das práticas de esportes, recreação e lazer, na construção de espaços próprios e na aquisição dos respectivos equipamentos;
Organizar e desenvolver programas especiais de incentivo à prática de esportes, recreação e lazer para a terceira idade e para os deficientes físicos, mentais e sensoriais;
Fomentar indiscriminadamente todas as manifestações físicas, esportivas e de lazer, com a finalidade de desenvolver junto à população o espírito comunitário e o sentimento de solidariedade, contribuindo para diminuir ou mesmo eliminar, a postura discriminatória na sociedade;
Promover e incentivar competições esportivas, cursos e seminários sobre práticas de esporte e lazer;
Elaborar e participar de calendários de eventos esportivos locais, regionais e estaduais.
Estádios Distritais

Estádio Distrital Antonio Milagre Filho
Av. Waldemar G. Ferreira, q-9 - Vila Nova Esperança

Estádio Distrital Edson Pereira Leite
Rua Chiyo Otake, q-3 - Vila São Francisco

Estádio Distrital Horácio Alves Cunha
Av. Jurandyr Bueno, q-1 - Parque União

Estádio Distrital José Carlos Galvão de Moura
Av. dos Lavradores, s/n - Núcleo Gasparini

Estádio Distrital Jose Spetic Filho
Av. São Paulo, 5-49 - Vila Dutra

Estádio Distrital Luiz Edmundo Coube
Rua Manoel Theóphilo Pinto Ribeiro, 1-30 - Jardim Araruna

Estádio Distrital Nelson Reginato do Canto
Av. Nossa Senhora das Dores, 4-39 - Jardim Redentor

Estádio Distrital Sylvio de Magalhães Padilha
Rua Saldanha da Gama, 2-59 - Vila Giunta

Estádio Distrital Toninho Gerrreiro
Rua Alberto Paulovich, q-4 - Núcleo Mary Dota

Estádio Distrital Waldemar de Brito
Rua Matheus Tarzia, s/n - Vila Paulista 
Academia de Judô Francisco Takao Kajino
Rua Nyo Miashiro, q-9 - Jardim Carolina / Geisel

Escola de Atletismo
Rua Zhefilo Grizoni - Jardim Petrópolis

Ginásio de Esportes Darcy César Improta
Av. Engenheiro Luiz Edmundo Carrijo Coube, 2-66 - Núcleo Presidente Geisel

Ginásio de Esportes Guilherme Dal Colletto
Rua Bernardino Pereira, q-1 - Vila Industrial

Ginásio de Esportes Izaat Muhamed Saadhe
Rua Marieta França, q-8 - Vila Bela Vista

Ginásio de Esportes Raduan Trabulsi Filho
Av. Darcy César Improta, q-3 - Vila Santa Luzia

Piscina Municipal Frederico Arena
Rua Itororó esquina com Av. Castelo Branco - Vila Razuk

Praça de Esportes Cyrenio Ferraz de Aguiar
Rua São Paulo, q-1 - Centro“
Fonte: http://www.bauru.sp.gov.br/secretarias/sec_esportes/pracas_esp.aspx



 
 Estado Alfredo de Castilho


 
O Menino Pelé na equipe do BAC na década de 1950


C.C. Noroeste

Bauru - Campeão Sul Americano de Basquete 2014

Bauru Voley feminino

Distintivo da Associação Esportiva Ouro Verde



RELIGIÃO - ALGUNS TEMPLOS 


Catedral do Divino Espírito Santo


Igreja Batista

Assembleia de Deus

Congregação Cristã no Brasil


1ª Igreja Presbiteriana

Igreja do Evangelho Quadrangular

Fonte: Internet




ALGUMAS PERSONALIDADES DE DESTAQUE DE BAURU




- Edson Arantes do Nascimento (Pelé): Embora nascido aos 23-10-1940 em Três Corações, MG, Edson veio com a família morar em Bauru quando ele era muito criança. Nessa cidade, jogando no Bauru AC foi descoberto por Waldemar de Brito que o levou ao Santos FC, onde estreou na equipe de profissionais com 16 anos.
Com dezessete integrou a Seleção Brasileira de Futebol que foi Campeã do Mundo na Suécia. Depois de encerrar a carreira na Seleção e no Santos, atuou pelo Cosmos de Nova Iorque, ajudando a popularizar o futebol entre os americanos.
É considerado o maior jogador de futebol de todos os tempos.



- Edson Celulari: Edson Francisco Celulari nasceu aos 20=-03-1958 em Bauru, SP e foi casado com a atriz Claudia Raia.
Iniciou as atividades artísticas no teatro amador em sua cidade natal e aos 16 anos foi estudar Arte Dramática na Capital.
Iniciou sua carreira na Televisão em 1978 na extinta TV Tupi e desde 1980 está na Rede Globo onde participou de inúmeras novelas com papéis de destaque.
Participou de inúmeras peças de teatro e atuou em nove filmes.



- Reali Júnior: Elpídio Reali Júnior nasceu em Bauru, SP em 1941 e faleceu em São Paulo, SP aos 09-04-2011.
         Desde a década de 1970 ele foi correspondente da Rádio Panamericana, mais conhecida como Rádio Jovem Pan. Escreveu para o jornal o Estado de São Paulo e era pai da atriz Cristiana Reali.
         Um dos maiores correspondentes do Brasil no exterior, era homem de muita credibilidade e fez grandes coberturas internacionais, entre as quais a Revolução dos Cravos em Portugal, a Guerra Irã-Iraque, a morte do ditador Francisco Franco na Espanha, a queda do Muro de Berlim, o assassinato do presidente Sadat do Egito e a morte da princesa Diana, etc.




- Luiz Carlos Azenha nasceu em Bauru, SP em 1958. Formado em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo, trabalhou em sua terra natal, transferindo-se em 1980 do Jornal Cidade para a TV Bauru, afiliada da Rede Globo.
         Viveu nos Estados Unidos, sendo colaborador do jornal Folha de São Paulo, da Rede norte-americana BBC, da Rede Canadense CBC e da Rádio Jovem Pan.
Trabalhou em várias emissoras de TV como Manchete, Globo, SBT e Rede Record de Televisão.


- Amaury Soares nasceu em Bauru (SP), em 18 de junho de 1966. É formado em Jornalismo pela Universidade do Estado de São Paulo (Unesp), em 1987.
Começou a carreira como estagiário da então TV Bauru (SP), hoje TV Tem, afiliada da Rede Globo. Na emissora atuou como repórter, editor, apresentador e chefe de redação em diversos telejornais. Em outubro de 1989, assumiu o cargo de editor executivo do Bom Dia São Paulo, na capital.
Tomou parte na equipe que implantou o novo jornalismo regional no Estado, a partir de junho de 1990. Foram criadas as duas edições do São Paulo Já – programa de que foi editor-executivo – e o SPTV. É casado com a jornalista Patrícia Poeta.



- Marcos César Pontes: Primeiro astronauta brasileiro a ir ao espaço. Foi na missão batizada de “Missão Centenário” em referência ao primeiro centenário do vôo de Santos Dumont no avião 14 Bis, realizado em 1906.
Marcos que nasceu em Bauru, SP aos 11-03-1963 é Tenente Coronel da Força Aérea Brasileira, tendo passado para a Reserva.







- Osires Silva: Nasceu em Bauru, SP aos 08-01-1931, se tornando engenheiro aeronáutico, tendo sido o líder do projeto que construiu o avião “Bandeirante” da EMBRAER, empresa que ajudou a criar.
Foi Ministro da Infraestrutura do Governo Federal, Presidente da Petrobras e da extinta VARIG. Escreveu e publicou diversos livros.




  
Fontes:
- Fotos: Internet


FOTOS ANTIGAS DE BAURU



Antiga Casa Lusitana 

Asilo Colônia Aimorés

Bauru Anos 50

Coreto da Praça Adhemar de Barros


 Estação Ferroviária

Rua Rodrigues Alves

Trem de passageiros

TV Bauru

Vista aérea - 1950



FOTOS ATUAIS


Aeroporto 

Câmara Municipal

Justiça Federal de 1º Grau

Prefeitura Municipal

Terminal Rodoviário

Vista Aérea

Zoológico
  



 DEDICATÓRIA



        Esta postagem é dedicada ao meu saudoso tio Genésio Batista Rosa e sua família. Nascido aos 18-03-1929 em São Pedro do Turvo, Genésio se tornou um adolescente em Lupércio e alcançou sua maturidade em Santa Cruz do Rio Pardo, onde desenvolveu sua carreira profissional e se casou com a jovem Marcolina Dutra Rosa. Da feliz união nasceu a menina Sueli Aparecida Rosa.
        Homem de caráter impoluto, trabalhador e extremoso chefe de família, era irmão de minha mãe por parte de pai.
 Ajudou-me para que eu pudesse concluir meus estudos primários na cidade de Santa Cruz do Rio Pardo, onde ele residia com seus pais João Batista da Rosa e dona Benedita Gonçalves Damasceno no início dos anos 50.Ele e tia Marcolina foram meus padrinhos de casamento em 1965.
      A Sueli e o Luiz Felipe foram bênçãos que Deus acrescentou à vida deles.
A ele meu preito de saudade. Aos queridos familiares, minha admiração para todo sempre. 


Genésio, Marcolina, Sueli e Luiz Felipe



CONSIDERAÇÕES FINAIS


         Este trabalho, assim como vários outros publicados no Blog do Ribeiro tem o nome de postagem.
         Pesquiso e reúno em um só espaço, a História, a Geografia e os demais aspectos relacionados a uma cidade, como a Educação, a Cultura, o Esporte, a Administração Pública, etc., bem como ilustrações com fotos disponíveis na Internet  e às vezes, com vídeos do You tube.
         Em todos eles procuro, antes de tudo, fazer uma pequena dissertação sobre o conhecimento pessoal que tenho da cidade que vou abordar. Em algumas delas, residi, e no caso de Sorocaba, é onde resido atualmente.
         Nesta postagem sobre Bauru, como também nas demais, estou aberto a sugestões que possam melhorar o trabalho. Qualquer foto que porventura tenha direitos autorais reservados será removida desde que me avisem O contato pode ser feito pelo e-mail constante do tópico “Sobre o Autor da Postagem” 


ISOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


Wilson do Carmo Ribeiro, 73 anos, casado, residente em Sorocaba, é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante.  É presbítero em atividade na Igreja Presbiteriana do Brasil.
Blog do Ribeiro: http://wilson-ribeiro.blogspot.com.br/