terça-feira, 7 de janeiro de 2014

SIMONTON, PIONEIRO DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL


INTRODUÇÃO


         É com prazer que apresento um resumo da História da vida do missionário Reverendo Ashbel Green Simonton, pioneiro do Presbiterianismo no Brasil.

         Entre os vários títulos disponíveis na Internet optei por este por ser objetivo e sucinto, trazendo aos leitores uma boa visão do trabalho do grande missionário que fez tanto pela obra do Mestre em tão curto espaço de tempo.
         Damos graças a Deus pelos irmãos que se dispõem a descrever a vida e obra desses homens de Deus, de forma que podemos com os devidos créditos transcrever para nosso blog e disponibilizar a leitura para nossos irmãos e amigos.
A Deus toda a glória.



 A TRAJETÓRIA



A seguir transcrevemos artigo escrito pelo pastor Florêncio Moreira de Ataídes da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil no Jornal Aleluia de julho de 2009, e disponibilizado na internet sobre a vida e obra do missionário Ashbell Green Simonton:  


Simonton nasceu no dia 20 de janeiro de 1833, em West Hanover, na Pensilvânia, descendente de presbiterianos escoceses-irlandeses que haviam migrado para os Estados Unidos. Era filho de William Simonton e Martha Davis. Tinha nove irmãos, sendo cinco homens, denominados os quinque frates (os cinco irmãos): William, John, James Thomas e quatro irmãs: Martha, Jane, Elizabeth (Lillie) e Anna Mary.
Desde cedo, Simonton recebeu as melhores influências morais, intelectuais e espirituais da fé presbiteriana em que fora criado e que podem ser facilmente observadas no seu diário escrito a partir dos dezenove anos de idade.
Quando viajava ao sul dos Estados Unidos, atuando como professor deixava transparecer, em suas reflexões e personalidade sensível, profundo interesse pelas coisas espirituais, embora, até então, não tivesse feito sua profissão de fé. Observava os problemas sociais de sua época, como, por exemplo, mostrando-se radicalmente contra a questão da escravidão. Sobre o comércio de africanos, considerava-o como um “tráfico desumano e nenhum homem com sentimento humanitário poderia se engajar nele” (MATOS, p. 27). Não concordava com o comportamento de homens que se aproveitavam dos seus semelhantes para se beneficiarem economicamente.
Importava-se também com os pobres e, na antevéspera do Natal, expressou assim seus sentimentos: “O inverno chegou violento, neve e frio para o prazer dos ricos e desespero dos pobres (...) Neste inverno haverá mais sofrimentos entre as classes pobres do que jamais houve. Milhares de trabalhadores já foram despedidos nas cidades e aglomerados industriais; os aluguéis e a comida estão caros (MATOS, p. 78). A situação precária de milhares de pessoas o incomodava, “isso consistia num grave problema social, o que não passou despercebido por ele. Simonton era uma pessoa preocupada com o social, almejando o bem-estar de todos” (ATAÍDES, p. 19).
Até então, não tinha tomado uma decisão de servir a Cristo, pois lhe faltava uma profunda experiência com Deus. No entanto, sua conversão não demorou muito em acontecer. Em março de 1855, a igreja, da qual sua mãe era membro, promoveu uma campanha de oração onde ele se entregou a Cristo, assumindo publicamente o seu compromisso com Deus. A partir daquele momento “passou a considerar o ministério como possibilidade em sua carreira. Fez, então, uma decisão corajosa que mudou para sempre o sentido da sua vida: respondeu afirmativamente ao apelo do pastor” (ATAÍDES, p. 20).

Em resposta ao chamado, em julho daquele ano, ingressou no Seminário de Princeton, a fim de preparar-se para o ministério. Ainda no primeiro semestre, ouviu, na capela do seminário, um sermão que o despertou para missões. “O pregador era o Dr. Charles Hodge, eminente teólogo e professor do seminário, que o fez pensar seriamente na possibilidade de devotar-se à obra missionária no estrangeiro. Aquele sermão tocou profundamente o coração sensível do jovem seminarista Simonton, levando-o a pensar seriamente, pela primeira vez, sobre o trabalho missionário” (ATAÍDES, p.23).
Com o consentimento de sua mãe, no dia 27 de novembro de 1858, encaminhou à Junta de Missões Estrangeiras o pedido formal para ser missionário, mencionando o Brasil como campo da sua preferência, deixando, no entanto, a decisão final aos cuidados da Junta. Foi aceito e ordenado pastor, começando os preparativos para a viagem no ano seguinte.
Na manhã do dia 18 de junho 1859, despediu-se, no porto de Baltimore, de sua mãe e de seu irmão John que o acompanharam até o navio. Sua mãe escreveu no diário dela naquela ocasião: “É difícil separar-se daqueles que talvez não vejamos mais na terra. Mas quando penso no valor das almas imortais que se estão perdendo pela falta do Evangelho puro... Recomendo você com orações e lágrimas ao Senhor, que tudo faz para o bem” (www.missiodei.com.br. In: 25/08/06). Oraram fervorosamente por ele e em seguida embarcou num navio à vela chamado Banshee, rumo ao Brasil. Estava deixando para trás sua pátria, família e amigos, muitos dos quais não mais veriam nesta terra. Foram 55 dias 

de viagem, mas desembarcou, finalmente, no porto da capital do Brasil, o Rio de janeiro, no dia 12 de agosto daquele ano.
Quando Simonton chegou aqui havia muitos protestantes ingleses (anglicanos) que tinham vindo para cá ao longo de meio século, liberados por tratado comercial entre o Império do Brasil e a Inglaterra. No entanto, eles não evangelizavam em razão das restrições que faziam parte do acordo. A religião oficial do Brasil Imperial era o catolicismo romano.
Simonton vivia a grande expectativa de pregar o evangelho aqui. Estava bem consciente de que devia amar as pessoas para ganhá-las para o Senhor, pois ser missionário sem amor era, para ele, um mau negócio.  Como método de evangelização começou a dar aulas de inglês, como forma de estabelecer contato com as pessoas e aperfeiçoar sua fluência na língua portuguesa, o que lhe consistia um grande problema. Lutava para aprender o idioma o mais rápido possível, a fim de que pudesse comunicar bem o evangelho. Três meses depois de sua chegada ao Brasil escreveu: “O que mais me interessa agora é aprender a língua... e enquanto não o completar, não tenho condições de ser útil aqui... Todos os esforços que fiz até agora para aprender o português não tiveram sucesso” (MATOS, p. 132).
Depois de alguns meses no Brasil, “no dia 22 de abril de 1860, num domingo, Simonton realizou a primeira Escola Dominical em sua casa, sendo este seu primeiro trabalho em Português” (ATAÍDES, p. 40), o que o deixou muito feliz.

Simonton não ficou apenas no Rio, mas visitou várias cidades dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, deixando nelas a semente do Evangelho, onde nasceram muitas igrejas presbiterianas.
No final de 1862, voltou a sua terra para visitar sua mãe que estava enferma. Infelizmente, quando chegou ela já havia partido para o Senhor. Teve a oportunidade de rever seus irmãos pela última vez, descrevendo assim esse encontro: “a noite passada, ficamos conversando até tarde sobre o passado e sobre os que partiram. Cada um contribuía com maior ou menor parte dos tesouros de sua memória; muitos incidentes e lembranças foram revividos e a conexão do presente com o passado parecia completa” (MATOS, p. 154).
Ainda no final daquele ano Simonton conheceu a jovem Helen Murdoch com quem
casaria em 19 de março de 1863. Em seguida, vieram para o Brasil e aqui Helen viveu cerca de um ano e veio a falecer por causa de complicações no parto.[1] Simonton enlutado e sozinho escreveu suas mais dolorosas palavras: “Deus tenha piedade de mim agora, pois águas profundas rolaram sobre mim. Helen está estendida em seu caixão, na salinha de entrada. Deus a levou de repente que ando como quem sonha” (MATOS, p.164).
A morte da esposa foi uma perda irreparável, um golpe do qual jamais se recuperou. No entanto, continuou o seu ministério com muito ardor. Com os colegas de ministério: Blackford, Schneider e Chamberlain, fundaram algumas igrejas Presbiterianas (Rio, São Paulo e Brotas), 

organizou um Presbitério (o Presbitério do Rio de Janeiro), um jornal (Imprensa Evangélica), um Seminário (Seminário Primitivo) e uma Escola Paroquial (no Rio de Janeiro). Tudo isso ocorreu no curto período de oito anos e quatro meses.
Simonton fazia incansavelmente a obra de Deus e o seu trabalho prosperava em vários lugares. Um dos frutos mais importantes do seu ministério foi a conversão do padre José Manuel da Conceição, conhecido como JMC, que se tornou uma peça chave na evangelização de muitas cidades nos estados de São Paulo e sul de Minas Gerais. JMC foi o primeiro pastor brasileiro ordenado.

Em novembro de 1867, Simonton foi acometido de febre amarela e não mais se recuperou. Apesar de ser devidamente assistido pelos médicos, não resistiu e faleceu precocemente, no dia 09 de dezembro de 1867, aos 33 anos. O túmulo do missionário Simonton está ao lado do de JMC, no Cemitério dos Protestantes, em São Paulo.
Em 12 de agosto de 1959, no centésimo aniversário de sua chegada ao Brasil, a Igreja Presbiteriana do Brasil, colocou ao pé da lápide do pioneiro uma placa comemorativa com a seguinte inscrição: “Primeiro centenário da chegada do Rev. Ashbel Green Simonton ao Brasil. O seu trabalho não foi em vão no Senhor” (MATOS, p. 30). 

Em 12 de agosto de 2009 comemoramos os 150 anos da chegada de Simonton ao Brasil para estabelecer o presbiterianismo. Como presbiterianos temos motivos para louvar a Deus pela sua vida. Reconhecemos a importância de seu trabalho, o qual continua frutificando para glória de Deus! Amém.” 


SOBRE O AUTOR DA MATÉRIA


Florêncio Moreira de Athaídes é pastor da Igreja Presbiteriana Renovada desde 09-12-1989.
Em 2009 assumiu a direção da MISPA – Escola de Missões Priscila e Áquila de Assis, SP.
Em 2013 foi nomeado diretor dessa instituição.


O autor é bacharel em Teologia, graduado em Estudos Sociais, graduado em História, pós-graduado em Ensino de Filosofia, mestre em Missiologia.




GALERIA DE FOTOS

(Portal Mackenzie)





Seminário de Princeton, onde Simonton fez o 
curso de teologia

Marta Simonton, mãe do missionário

Os irmãos de Simonton

Helen Murdoch a esposa 
de Simonton

Simonton e a filhinha Helen


Blackford, cunhado que criou
a filha de Simonton


Rio de Janeiro, porto onde Simonton
desembarcou e iniciou seus trabalhos no Brasil


São Paulo, cidade onde o trabalho presbiteriano
foi alavancado e dali partiu para o interior


Brotas, SP, uma das cidades interioranas
onde o presbiterianismo floresceu

Rev. José Manuel da Conceição, ex padre e 
primeiro pastor pastor presbiteriano
brasileiro

Cemitério dos Protestantes em São Paulo onde
estão sepultados Simonton e Conceição


Em agosto de 2009 os presbiterianos comemoraram 
os 150 anos da chegada de Simonton ao Brasil


Rev. Alderi Souza de Matos, é professor de História da Igreja 
e coordenador da área de Teologia Histórica do Centro
Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, 
em São Paulo. É mestre em Novo Testamento pela Andover 
Newton Theological School, Massachusetts, EUA, e doutor em 
História da Igreja pela Boston University School
of Theology. Alderi é ministro da Igreja Presbiteriana 
do Brasil e historiador oficial dessa denominação.
(citado diversas vezes no artigo publicado)

CONCLUSÃO


         Este trabalho pode ser melhorado através de críticas construtivas e sugestões. É assim que tenho feito com todas as postagens publicadas em meu blog.

        Portanto, se você tiver qualquer contribuição a fazer, poderá entrar em contato comigo através do e-mail indicado no final desta publicação, ou por mensagem no Facebook.

SOBRE O AUTOR DA POSTAGEM


Wilson do Carmo Ribeiro é industriário aposentado, pedagogo e historiador diletante. 
É presbítero em exercício da Igreja Presbiteriana do Brasil, servindo atualmente na Igreja Presbiteriana Rocha Eterna de Sorocaba.
E-mail: prebwilson@hotmail.com

 

 

 




 




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário